Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
4

Confusão nos descontos

Os trabalhadores independentes que auferem o salário mínimo nacional descontaram de modo diferente para a Segurança Social no mês passado: uns pagaram 142,76 euros, mais 50 por cento; outros, o mesmo.
29 de Agosto de 2005 às 00:00
Confusão nos descontos
Confusão nos descontos FOTO: Arquivo CM
Gabriela Frazão, trabalhadora independente que faz traduções, descontou a referida verba, como outras tradutoras. Mas houve quem, na mesma área profissional, pagasse sem o referido aumento. Assim aconteceu, segundo Gabriela Frazão, por “dúvidas de interpretação quanto ao prazo de entrada em vigor do decreto-lei” que estipula o aumento. O diploma (119/2005) vigora desde 23 do mês passado.
A referida profissional, além de estranhar que alguns trabalhadores independentes tivessem pago mais 50 por cento e outros não, manifestou-se contra tal agravamento: “Quem não obtém receitas equivalentes ao salário mínimo tem de pagar os tais 142,76 euros? Não pude trabalhar por ter feito duas operações e a comparticipação da Segurança Social foi zero.”
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)