Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
3

Cristas acusa Governo de malabarismos

Costa diz que cativações são boa gestão orçamental.
26 de Abril de 2017 às 17:55
Assunção Cristas
Assunção Cristas, presidente do CDS/PP
Assunção Cristas, presidente do CDS/PP
Assunção Cristas
Assunção Cristas, presidente do CDS/PP
Assunção Cristas, presidente do CDS/PP
Assunção Cristas
Assunção Cristas, presidente do CDS/PP
Assunção Cristas, presidente do CDS/PP
A presidente do CDS-PP acusou hoje o Governo de falta de transparência, malabarismos e artimanhas, ao fazer cortes cegos e esconder despesa, tendo o primeiro-ministro respondido que as cativações são um instrumento essencial à boa gestão orçamental.

"Os senhores congelam, cortam, dizem que baixam os pagamentos em atraso porque nem aceitam notas de encomenda e gastam primeiro e põem a despesa debaixo do tapete. É falta de transparência, malabarismos e artimanhas, disso já estamos fartos e sabemos onde nos levou", acusou Assunção Cristas.

A líder centrista questionou António Costa sobre dívidas na saúde, tendo apontado como "despesa debaixo do tapete" que os hospitais peçam dispositivos médicos à consignação, que em muitos casos disse serem consumíveis, sem nota de encomenda, citando queixas de credores de unidades hospitalares hoje na comissão parlamentar de saúde.

O confronto entre Cristas e Costa ficou marcado pela defesa do primeiro-ministro das cativações enquanto instrumentos de boa gestão orçamental, de forma a que não se dê "um passo maior do que a perna" e as despesas sejam geridas de acordo com as receitas ao longo do ano.

"A cativação é um elemento essencial para assegurar a boa gestão orçamental, para assegurar que o Orçamento vai sendo gerido ao longo do ano tendo em conta aquilo que é a evolução da receita e a evolução da despesa, para prevenir surpresas e assegurar que cumpriremos no final do ano as metas orçamentais que nos propusemos", sustentou António Costa.

"No dia em que as cativações não existam, posso absolutamente assegurar que não haverá boa gestão orçamental", sublinhou.
Ver comentários