Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
3

CTG deixa cair OPA à EDP se desblindagem de estatutos for chumbada

A China Three Gorges não renuncia à condição imposta na oferta pública de aquisição sobre a EDP.
22 de Abril de 2019 às 20:34
António Mexia, presidente-executivo da EDP
António Mexia, presidente-executivo da EDP
António Mexia, presidente-executivo da EDP
António Mexia, presidente-executivo da EDP
António Mexia, presidente-executivo da EDP
António Mexia, presidente-executivo da EDP
António Mexia, presidente-executivo da EDP
António Mexia, presidente-executivo da EDP
António Mexia, presidente-executivo da EDP

A China Three Gorges emitiu esta segunda-feira um comunicado na CMVM, que pretende que seja lido aos acionistas na assembleia geral da EDP, onde afirma que não renuncia à condição imposta na oferta pública de aquisição (OPA), de que seja aprovada a desblindagem de estatutos. 

"A CTG gostaria de declarar irrevogavelmente a todos os interessados e, em especial, aos acionistas da EDP que todas as condições a que o lançamento da Oferta se encontra sujeito permanecem em vigor e, especificamente, no caso de o resultado da votação não permitir a eliminação do atual limite à contagem de votos, que a CTG não renunciará a essa condição", afirma a declaração. Ou seja, a OPA ficará sem efeito se a votação na AG da EDP desta quarta-feira for desfavorável aos chineses.

Apesar deste possível travão à oferta, a CTG afirma que "já obteve resultados positivos num grande número de aprovações regulatórias" e garante continuar "a trabalhar ativamente para a conclusão bem-sucedida dos demais processos".

A empresa chinesa diz ainda que irá respeitar as decisões das autoridades e da Assembleia Geral e "permanecerá como investidora estratégica de longo prazo da EDP", isto, "independentemente do resultado final da oferta".

A posição da China Three Gorges chega depois de o regulador dos mercados português, a CMVM - Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, ter confirmado que a votação sobre o limite dos votos na EDP é decisiva para o desfecho da OPA, deixando um ultimato. A CMVM decidiu que, no caso de o voto não ser favorável, fica desde já decidida a não verificação de uma das condições para a OPA avançar. E no caso de os acionistas votarem a favor, dará 45 dias aos chineses para as restantes condições ficarem garantidas.

O ponto sobre a desblindagem dos estatutos foi pedido para entrar na assembleia geral de 24 de abril pelo fundo Elliott, também acionista da elétrica com uma participação de 2,9%, que pretendia contrariar a morosidade do processo. 

O fundo de investimento, conhecido como o "Abutre da Argentina", considera que, se a China Three Gorges (CTG) for bem sucedida na OPA à EDP, a elétrica "ficará mais fraca" e mais "vulnerável". A opinião do fundo Paul Elliott Singer foi enviada numa carta ao conselho de supervisão da EDP. O fundo acredita que a EDP pode ter um futuro melhor se optar por investir no crescimento e na otimização do portefólio. 

A oferta pública de aquisição lançada, a 11 de maio de 2018, pela China Three Gorges (CTG) à EDP está há praticamente um ano sem desenvolvimentos.



China Three Gorges Mercado de Valores Mobiliários CTG CMVM EDP OPA AG Oferta Abutre Paul Elliott Singer
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)