Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
3

Custo anual de 51 milhões até 2030

A auto-estrada do Litoral Oeste, numa extensão de 111 km, é a infra-estrutura rodoviária com o segundo maior impacto financeiro negativo nas contas públicas: entre 2010 e 2030, segundo uma auditoria da Inspecção-Geral de Finanças (IGF) à Estradas de Portugal (EP), as despesas serão superiores às receitas no montante médio anual de 51,3 milhões de euros por ano.

4 de Outubro de 2011 às 01:00
As actividades económicas ganham vantagens com as novas vias
As actividades económicas ganham vantagens com as novas vias FOTO: Carlos Barroso

A auditoria da IGF revela que os encargos da EP com a auto-estrada do Litoral Oeste serão, no período compreendido entre 2010 e 2030, superiores às receitas em mais de mil milhões de euros. Com um prejuízo médio anual de 51,3 milhões, esta auto--estrada gera perdas de quase um milhão de euros por semana.

O Governo de José Sócrates adjudicou a obra ao consórcio AELO – Auto-Estradas do Litoral Oeste, que é liderado pela Brisa e conta com a participação dos grupos Somague e Lena, em Fevereiro de 2009, mas, na altura, os estudos já apontavam para resultados financeiros deficitários.

O estudo do desenvolvimento do projecto a 75 anos, efectuado pelo Banco Efisa, deixava claro que, mesmo após a adjudicação da obra, "continua a ser previsível que a subconcessão Litoral Oeste tenha um contributo negativo quer em termos nominais quer em termos reais para a conta de exploração da EP". E concluía que o valor actualizado do esforço financeiro líquido da EP, sem incluir o IVA, ascenderá a 492 milhões de euros.

Quando a obra foi adjudicada, a previsão do esforço financeiro líquido da EP era já de 579 milhões de euros. Mesmo assim, o Governo justificou a importância do projecto com a necessidade de melhorar o plano rodoviário e de desenvolver o turismo.

OBRA COM VISTO CONDICIONADO

A subconcessão do Litoral Oeste foi chumbada pelo Tribunal de Contas, em sede de fiscalização prévia. O visto foi concedido após haver garantia de que as ilegalidades seriam corrigidas no futuro.

SURGEM LUCROS A PARTIR DE 2039

Segundo a auditoria da IGF, as subconcessões rodoviárias só deverão começar a gerar lucros a partir de 2039. É nessa altura que irão acabar os contratos de concessão. 

ABRANGE 400 MIL HABITANTES

As novas estradas do Litoral Oeste, adjudicadas à empresa AELO, abrangem uma população residente de 400 mil habitantes, distribuídos por nove concelhos. As obras incluem diversos troços, como o IC2-Variante da Batalha, o IC36-Leiria Sul/Leiria Nascente e, o mais importante e maior, o IC9, entre Nazaré, Ourém e Tomar, sem pagamento de portagem, ao longo de 53 quilómetros. Para Filipe Sentieiro, 65 anos, residente em Alcobaça, "esta obra já vem atrasada. Deveria ter sido feita há mais de 20 anos, mas a região vai ser beneficiada".

"CONSTRUÇÃO DO IC9 AJUDARÁ A ECONOMIA"

A concessão, que inclui o IC9, uma das vias da AELO – Auto--Estradas do Litoral Oeste, constitui um impulso ao incremento de uma rota turística de excelência, permitindo ligar em rede itinerários de património monumental e religioso e ainda praias.

Nesta concessão, estão acessíveis ex-líbris como os castelos de Leiria e de Porto de Mós e monumentos considerados Património Mundial, como os mosteiros de Alcobaça e da Batalha – distinguidos com o título de 7 Maravilhas de Portugal. E ainda o Convento de Cristo, em Tomar, a praia da Nazaré e o Santuário de Fátima.

O IC9, que deverá abrir a 15 de Novembro próximo, é considerado pelo presidente da Associação Comercial, Industrial e de Serviços da Nazaré, António Hilário, como "um expoente para o turismo e o comércio". "Virá mais gente porque os acessos serão mais fáceis", sublinha, afirmando que a obra "vai ter impacto e dar melhores condições à actividade económica".

MENOS ACIDENTES COM A NOVA VIA

Prevê-se uma redução de 46% de vítimas mortais e feridos graves em acidentes. A concessão irá assegurar a construção, manutenção e conservação de 111 quilómetros de estradas.

LIGAR O INTERIOR AO LITORAL OESTE

Pretende-se promover uma ligação de qualidade do Interior ao Litoral da região Oeste, estimando-se uma diminuição de 38% no tempo médio de percurso entre a Nazaré e Tomar. 

DISCURSO DIRECTO

"CONCRETIZAR UM SONHO", Jorge Barroso, presidente da Câmara da Nazaré 

Correio da Manhã – Qual a importância do IC9?

Jorge Barroso – Era uma obra ansiada, a concretização de um sonho, que traz um choque de modernização à Nazaré. É importante prepararmo-nos para retirar o melhor proveito e aproveitar as possibilidades abertas.

– Que repercussões espera do conjunto de obras da concessão Litoral Oeste?

– Quando todas as estradas que o Governo lançou estiverem abertas ao tráfego, a Nazaré ficará ligada transversalmente a Espanha, através dos grandes centros históricos, além de que ficará liberta de todo o tráfego indesejado no centro da vila.

– Prevê um crescimento do concelho?

– A melhoria das acessibilidades é uma peça de um puzzle que ficará completo com o golfe, a marina e os recifes.

LITORAL OESTE AUTO-ESTRADA OBRA
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)