Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
2

Despesa a dobrar

O Ministério da Justiça continua a pagar aos Bombeiros de Valongo mais de seis mil euros de renda pelas instalações das Conservatórias do Registo Civil e dos Registos Predial e Comercial daquela cidade. Isto enquanto, desde Maio, paga igualmente uma renda superior a 48 mil euros pelo Campus de Justiça de Valongo, edifício que está preparado para receber estes serviços.
2 de Outubro de 2011 às 01:00
A renda do Campus de Justiça de Valongo é paga, mas as salas estão desocupadas
A renda do Campus de Justiça de Valongo é paga, mas as salas estão desocupadas FOTO: Roberto Bessa Moreira

Nas Conservatórias, ainda ninguém foi informado sobre a data de uma possível mudança e os donos do prédio onde se continua a tratar do cartão do cidadão garantem que o contrato de arrendamento é válido até Janeiro.

"O contrato de arrendamento foi renovado automaticamente em Julho e está válido por mais seis meses", assegura o presidente dos Bombeiros de Valongo, Armando Pedroso.

O contrato entre Bombeiros e o Instituto dos Registos e Notariado foi celebrado em Novembro de 2000 e assegura uma renda de 6327 euros mensais à associação humanitária.

Já em Maio deste ano foi inaugurado o Campus de Justiça de Valongo. Trata-se de um edifício novo com cinco pisos e 9800 metros quadrados onde já funciona o tribunal local. O prédio inclui várias salas que ostentam o logotipo das Conservatórias dos Registos Predial e Civil. Salas essas que, porém, estão fechadas.

O Campus de Justiça de Valongo foi construído no âmbito de uma parceria público-privada que obriga o Estado a pagar, durante 15 anos, uma renda de 48 178 euros mensais.

VALONGO CAMPUS DA JUSTIÇA DESPESA
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)