Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia

Economia: Governo vai apresentar novas medidas

O primeiro-ministro, José Sócrates, disse esta terça-feira, em entrevista ao ‘The New York Times’, que em breve anunciará novas medidas para fortalecer a economia portuguesa nas áreas laborais, da burocracia e das exportações.
14 de Dezembro de 2010 às 16:14
Sócrates não adiantou grandes pormenores em relação às intenções do Governo, referindo apenas que "as novas medidas irão suportar o crescimento e a competitividade" e que o novo pacote irá ser apresentado esta semana
Sócrates não adiantou grandes pormenores em relação às intenções do Governo, referindo apenas que 'as novas medidas irão suportar o crescimento e a competitividade' e que o novo pacote irá ser apresentado esta semana FOTO: Lusa

Segundo o jornal, Sócrates não adiantou grandes pormenores em relação às intenções do Governo, referindo apenas que "as novas medidas irão suportar o crescimento e a competitividade" e que o novo pacote irá ser apresentado esta semana.  

As regras do mercado laboral, a diminuição da burocracia e promoção das exportações foram algumas das áreas apontadas pelo primeiro-ministro onde irão ser feitos ajustamentos.  

Sócrates mostrou-se ainda encorajado em relação a um estudo publicado este mês pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), que sugere que Portugal foi um dos países que mais fez para melhorar as finanças públicas até 2020. 

"Estou muito satisfeito que o FMI tenha feito este estudo, porque ele confirma que estamos no caminho certo para a consolidação orçamental e fornece dados concretos que dão confiança aos mercados", disse.  

O estudo, a que se refere o primeiro-ministro, diz que Portugal será o país que, entre 25 economias avançadas e emergentes, terá de fazer um menor ajuste orçamental até 2020 caso consiga atingir o seu objectivo de redução do défice até ao final de 2013. 

O estudo, realizado por um grupo de economistas e publicado a 1 de Dezembro, adianta que o menor ajuste orçamental até 2020 só será possível se as circunstâncias em que se baseia o trabalho, incluindo dados e projecções, não mudem.  

O artigo, que não reflete necessariamente a visão do FMI, diz ainda que Portugal junta-se ao Reino Unido e à Espanha nos países que, antecipando a sua consolidação no tempo, incorporaram medidas "robustas" do lado da receita nos seus programas, apesar de nos seus planos ainda dependerem em grande parte de cortes na despesa.  

Ainda assim, continua o artigo publicado no ‘The New York Times', os juros da dívida continuam perto dos máximos atingidos no mês passado, quando a Irlanda recorreu ao fundo de resgate para evitar o colapso do setor bancário. 

Depois da Grécia e da Irlanda, e economia portuguesa é vista como uma das mais fracas do euro, ameaçada pelos baixos níveis de competitividade e um grande défice orçamental, sinaliza o ‘The New York Times'.   

sócrates economia crise exportações austeridade
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)