Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia

ECONOMIA PARALELA BARRA DESENVOLVIMENTO PORTUGUÊS

A existência de uma economia paralela é o principal obstáculo ao desenvolvimento da economia portuguesa, segundo as conclusões de um estudo realizado pelo Instituto McKinsey Global Institute para o Ministério da Economia, apresentado esta terça-feira pelo responsável da tutela Carlos Tavares, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.
16 de Setembro de 2003 às 16:26
De acordo com aquele estudo, a produtividade da economia nacional corresponde a cerca de metade da média dos países europeus mais produtivos. Na origem desta diferença de produtividade foram identificadas barreiras como a informalidade e regulamentação dos mercados e produtos, o ordenamento do território e burocracia no licenciamento.
O ministro da Economia Carlos Tavares salientou a necessidade de combater a economia paralela, uma dos principais obstáculos ao desenvolvimento da economia portuguesa. O ministro da tutela disse que o Governo já avançou com processos de combate à evasão fiscal, ao incumprimento das obrigações sociais e à fuga de muitas empresas no que diz respeito ao cumprimento de requisitos de qualidade dos produtos.
Segundo as conclusões deste estudo, o incumprimento das obrigações por parte dos agentes económicos é responsável por 28 por cento do diferencial de produtividade. Outra conclusão refere que cerca de um quarto desta diferença entre Portugal e os países mais produtivos da UE resulta de factores estruturais.
O estudo em causa analisou os sectores da construção residencial, retalho alimentar, banca de retalho, telecomunicações, transporte rodoviário de mercadorias, automóvel e turismo, têxtil e da saúde.
Ver comentários