Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
9

Empresários da diversão recusam ajuda pagar à troika

Dezenas de pessoas ligadas ao setor das empresas de diversão manifestaram-se esta segunda-feira frente aos escritórios da 'troika', em Lisboa, para declararem que esta área económica não pode ajudar Portugal a pagar o empréstimo.
14 de Janeiro de 2013 às 13:07
Luís Paulo Fernandes diz que setor de diversão não pode ajudar Portugal a pagar empréstimo
Luís Paulo Fernandes diz que setor de diversão não pode ajudar Portugal a pagar empréstimo FOTO: Tiago Machado

Luís Paulo Fernandes, da Associação Portuguesa de Empresas de Diversão, disse à agência Lusa que, com esta ação, pretendem transmitir oficialmente a mensagem de que "Portugal quer pagar, mas devagar".

Segundo Luís Paulo Fernandes, o setor "está sem sustentabilidade para ajudar Portugal a pagar o empréstimo. Portugal quer pagar, mas devagar".

Para o representante do setor da diversão, a "mensagem não é ofensiva" e trata-se de um "conselho" que gostavam de transmitir numa reunião que pediram à 'troika'.

"Disseram-nos que não era normal" receberem alguém, "mas queremos transmitir a mensagem", disse.

Na semana passada, representantes das empresas de diversão foram recebidos na residência oficial do primeiro-ministro e protestaram frente à Assembleia da República.

A taxa do IVA (imposto sobre o valor acrescentado) sobre as atividades de diversão passou de 6% para 23% no início de 2012, aumento que, de acordo com a associação, está a empurrar para a falência 300 microempresas familiares do setor.

A associação reivindica que as atividades que proporciona não são lazer, mas sim cultura e, como tal, deveriam ser taxadas na taxa intermédia.

Luís Paulo Fernandes manifestação 'troika' diversão ajuda Portugal empréstimo
Ver comentários