Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
8

Estado deve retomar administração do património e da actividade da Alter Real

O administrador da Fundação Alter Real (FAR) António Hemetério Cruz defendeu hoje que o Estado deve retomar a administração directa do património e da actividade da instituição de utilidade pública, depois de a "sanear financeiramente" e extinguir.
3 de Novembro de 2012 às 14:58
 Fundação Alter Real, Estado, António Hemetério Cruz
Fundação Alter Real, Estado, António Hemetério Cruz FOTO: Manuel Isaac

"O que o Estado tem de fazer à fundação é extingui-la", depois de "honrar os compromissos que há para honrar", ou seja, "sanear financeiramente" a fundação e liquidar as dívidas "incomportáveis e insustentáveis" a fornecedores, disse à Lusa o vogal do conselho de administração da FAR, António Hemetério Cruz.

Posteriormente, defendeu, o Estado deve "retomar a administração directa" do património e da actividade da FAR, tal como aconteceu até 2007, quando o então ministro da Agricultura, Jaime Silva, criou "a desastrosa fundação com o propósito claro de a desorçamentar".

Segundo António Hemetério Cruz, na segunda-feira, a ministra da Agricultura, Assunção Cristas, reúne-se com os fundadores da FAR, provavelmente para lhes anunciar a decisão do Executivo PSD/CDS-PP em relação ao futuro da instituição, à qual o Governo determinou a cessação total de apoios financeiros.

Numa reunião com os fundadores, no passado dia 27 de agosto, a ministra da Agricultura "comprometeu-se a tomar uma decisão sobre o futuro da FAR até 31 de Outubro" e "é essa decisão que esperamos ficar a saber na segunda-feira", disse.

"Espero que, na segunda-feira, a ministra tome, efectivamente, a decisão que mais interesse ao país e que mais defenda o interesse público e o interesse da minha terra, Alter do Chão", afirmou.

António Hemetério Cruz disse que a ministra da Agricultura deu um prazo de 45 dias, que já terminou, para os fundadores da FAR apresentarem estudos de viabilidade da instituição, que gere a Coudelaria Nacional.

"Em concreto, não sei de nada, mas é suposto haver um estudo, pelo menos, para a ministra validar ou não", disse António Hemetério Cruz, que é presidente da Assembleia Municipal de Alter do Chão e liderou o município da vila entre 1994 e 2005.

António Hemetério Cruz disse esperar que a decisão do Governo seja a de que o Estado vai retomar a administração directa do património e da actividade da FAR, porque "é a única decisão séria" e "qualquer outra é utopia, lirismo, fantasia e má, nomeadamente para Alter do Chão".

"No mundo dos cavalos, toda a gente sabe" que a actividade da FAR, que tem um passivo de 2,5 milhões de euros, "com tendência para subir", porque "não há volta a dar", "sempre foi deficitária e continuará a ser", frisou, rejeitando os outros dois cenários para o futuro da fundação, sediada em Alter do Chão, no distrito de Portalegre.

O cenário de continuidade da FAR só com privados e sem o financiamento do Estado "é insustentável e uma utopia" e "representa o caos e a penúria" e o cenário de integrar o passivo e os activos da fundação na Companhia das Lezírias "representa a penúria".

Fundação Alter Real Estado António Hemetério Cruz
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)