Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
7

Falência de A Vida é Bela: Deco dá conselhos

A Vida é Bela deixou centenas de milhares de euros em dívida e vários 'vouchers' por utilizar nas mãos dos consumidores, os quais estão a ser aconselhados pela Deco a tentar reaver rapidamente o dinheiro junto da empresa.
13 de Novembro de 2012 às 18:00
A Vida é Bela anunciou na sexta-feira a suspensão da sua actividade em Portugal, devido a problemas financeiros justificados com a situação conjuntural, com uma quebra de vendas e com dívidas do Estado
A Vida é Bela anunciou na sexta-feira a suspensão da sua actividade em Portugal, devido a problemas financeiros justificados com a situação conjuntural, com uma quebra de vendas e com dívidas do Estado FOTO: Arquivo CM

A Vida é Bela anunciou na sexta-feira a suspensão da sua actividade em Portugal, devido a problemas financeiros justificados com a situação conjuntural, com uma quebra de vendas, com dívidas do Estado e com notícias divulgadas na comunicação social, que davam conta da situação económica da empresa.

Em Outubro, a agência Lusa revelou que vários parceiros estavam a recusar 'vouchers' de A Vida é Bela por falta de pagamento, o que conduziu a uma quebra de vendas de mais de 85% e a uma crescente recusa de aceitação pelos parceiros, o que tornou "impossível" a sua actividade regular, segundo uma nota enviada pela empresa aos parceiros.

A quebra das vendas, o aumento das taxas de juro, a redução dos plafonds de crédito dos bancos, o aumento da taxa de redenção (utilização) dos cupões e a dívida do Estado de "mais de dois milhões de euros de reembolsos de IVA e pagamentos de fundos comunitários já aprovados e contratualizados", são apontados como causas para a situação da empresa.

De acordo com essa mesma nota, A Vida é Bela começou 2012 com quebras de 50% que a partir de maio melhoraram fixando-se nos 30%, permitindo que a partir de setembro começasse a "cumprir com os agendamentos de pagamentos a terceiros".

Em declarações à Lusa, o Grupo Pestana revelou ter mantido "contactos regulares com A Vida é Bela até há 15 dias no sentido de saldarem a dívida, que se mostraram infrutíferos".

Apenas na semana passada, a empresa saldou cerca de 40 mil euros da dívida que tem só ao Grupo Pestana Pousadas e que é "da ordem dos 200 mil euros".

Mas há outros parceiros que mantêm dívidas por pagar, como é o caso do Hotel Best Western Rainha Dona Amélia, que não recebe pagamentos desde maio e suspendeu o contrato com A Vida é Bela em Setembro, tendo uma dívida acumulada de seis mil euros.

Num comunicado divulgado à comunicação social, A Vida é Bela dá conta de que desde o início do ano já foram liquidados 7 milhões de euros a fornecedores.

A marca afirma que pondera a adesão a um Processo Especial de Revitalização (PER), tendo entretanto retirado do mercado os vouchers, que estiveram à venda ao público até à sexta-feira passada, o mesmo dia em que foi anunciada a suspensão da actividade.

Perante esta situação, a Deco afirma estar a aconselhar os consumidores com 'vouchers' por usar a contactarem a empresa para tentarem reaver o dinheiro, mas reconhece dificuldades neste contacto, uma vez que a própria associação de defesa do consumidor tem ligado para A Vida é Bela, sem sucesso.

A reclamação deve ser feita por escrito e caso não haja resposta, deve ser feita denúncia à Deco, disse à Lusa a jurista Ana Sofia Ferreira.

A mesma responsável acrescentou que a Deco está também a alertar os consumidores para que não comprem mais vouchers, uma vez que "teve conhecimento" de que ainda continuam alguns à venda.

a vida é bela ócio lazer hotelaria turismo falência deco dívidas
Ver comentários