Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
3

Famílias tiram 7,2 milhões/dia

A crise está obrigar os portugueses a resgatarem as poupanças que têm aplicadas em Certificados de Aforro. Desde o início deste ano, foram já levantados 1090 milhões de euros aplicados naqueles instrumentos de poupança, o que dá uma média de 7,2 milhões por dia. Só no mês de Maio, os portugueses tiraram 208 milhões, tendo apenas aplicado 22 milhões naqueles títulos do Estado, segundo dados do boletim do Instituto de Gestão da Tesouraria e do Crédito Público (IGCP).

26 de Junho de 2012 às 01:00
Há 4 anos que  as famílias retiram dinheiro dos certificados
Há 4 anos que as famílias retiram dinheiro dos certificados FOTO: João Cortesão

A fraca rentabilidade daquelas aplicações (que em Junho atingem uma taxa bruta de 0,829%) é uma das razões fundamentais para estes levantamentos. A própria Associação Portuguesa para a Defesa dos Consumidores (Deco) deixou de recomendar qualquer investimento nos Certificados de Aforro, que hoje em dia perdem para qualquer depósito a prazo.

"Desde a última alteração, em 2008, que este produto perdeu o interesse. Aliás, desde essa alteração que os resgates têm sido superiores aos investimentos", disse ao Correio da Manhã António Ribeiro, da Deco. Este responsável refere que "a série C dos Certificados de Aforro (a única que está disponível para subscrição) tem uma taxa líquida de 0,6%. É fácil encontrar depósito a prazo com valores mais elevados".

Mesmo com sucessivos resgates, a verdade é que os portugueses ainda têm mais de 10 mil milhões de euros aplicados em Certificados de Aforro.

OS BONS TÍTULOS DO TESOURO

Contrariamente aos Certificados de Aforro, os Certificados do Tesouro continuam a ser uma boa aplicação para quem possa mobilizar poupanças a cinco ou 10 anos, com remunerações ilíquidas de 6,8% e 7,10%.

CERTIFICADOS DE AFORRO CRISE ECONOMIA
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)