Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia

Filipe Pinhal diz que pediu a Berardo para "deixar o BCP em paz"

Ex-administrador do partido desmentiu afirmações do empresário sobre o papel de Pinhal nas operações para compra de ações.
Lusa 11 de Junho de 2019 às 19:05
Filipe Pinhal, ex-gestor do BCP
Filipe Pinhal, ex-administrador do BCP
A exposição tem curadoria do próprio colecionador, José Berardo
Filipe Pinhal, ex-gestor do BCP
Filipe Pinhal, ex-administrador do BCP
A exposição tem curadoria do próprio colecionador, José Berardo
Filipe Pinhal, ex-gestor do BCP
Filipe Pinhal, ex-administrador do BCP
A exposição tem curadoria do próprio colecionador, José Berardo
O ex-administrador do BCP Filipe Pinhal disse esta terça-feira que pediu a José Berardo para "deixar o BCP em paz" em 2007, desmentindo afirmações do empresário madeirense sobre o papel de Pinhal nas operações para compra de ações do banco.

"Gostava de desmentir o senhor José Berardo", disse Filipe Pinhal na sua audição na segunda comissão parlamentar de inquérito à recapitalização e gestão da Caixa Geral de Depósitos (CGD), acrescentando que seria "pouco provável" que "estivesse a ajudar" o empresário a alcançar mais votos para o destituir.

Filipe Pinhal confirmou ao deputado comunista Paulo Sá que pediu a Berardo para "deixar o BCP em paz".

Na audição parlamentar de 10 de maio a José Berardo, o empresário disse que Filipe Pinhal lhe sugeriu fazer um crédito na Caixa, já que o próprio BCP não podia financiar compra de ações suas.

Filipe Pinhal disse ainda que num almoço com Berardo em maio de 2007 lhe "sugeriu" a venda de ações do BCP a Pedro Teixeira Duarte, que lhe geraria uma "mais valia de 100 a 150 milhões de euros", ao que Berardo lhe respondeu "upa upa", sugerindo que a mais valia seria superior.

"A esta minha sugestão o senhor Berardo respondeu 'E o prémio?'", disse Filipe Pinhal, respondendo que não deveria "haver lugar a prémio, mas talvez a desconto", e que a cotação das ações do BCP estava "inflacionada pela guerra" que Berardo e outros tinham começado.

Depois desta sugestão, Berardo terá dito que o dinheiro proveniente da sugestão "era dinheiro sujo", e que "acima das mais valias estava a honra", de acordo com Filipe Pinhal, que classificou a descrição dos eventos feita pelo empresário de "assaz distorcida".

"A palavra honra na boca do senhor Berardo vale o que cada um lhe queira atribuir", afirmou Filipe Pinhal.

O ex-administrador disse ainda que José Berardo "fazia alternadamente de polícia bom e de polícia mau" na sua relação com a administração do BCP.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)