Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
7

Gestor e 15 milhões estão desaparecidos

Ramiro Raimundo, presidente da Oleocom, a maior importadora de cereais do País que abriu falência, está desaparecido. Ninguém parece conseguir contactar o gestor há duas semanas e a questão que todos lhe querem colocar é : onde andam os cerca de 15 milhões de euros pagos por clientes da Oleocom, como forma de adiantamento pela compra de matérias-primas.
13 de Maio de 2009 às 00:30
Ramiro Raimundo, presidente do terminal multiusos do Beato , está desaparecido.
Ramiro Raimundo, presidente do terminal multiusos do Beato , está desaparecido. FOTO: direitos reservados

Na Oleocom, o silêncio parece ser a regra de ouro. Contactada pelo CM, fonte da empresa adianta apenas que qualquer comentário terá de ser feito pelos accionistas, recusando-se a falar, ou sobre os milhões desaparecidos, ou sobre o gestor que se encontra em parte incerta. Do lado dos accionistas, José António Santos, da Valouro, refere que desconhecia até há pouco tempo as complicações na empresa de cereais e que tinha "confiança no seu presidente", afirmou ao ‘Jornal de Negócios’. Contudo, a Valouro vai constituir-se como credora da Oleocom por dívidas de cerca de dez milhões de euros.

Ramiro Raimundo é ainda presidente do Terminal Multiusos do Beato, um dos principais operadores do Porto de Lisboa. O CM procurou saber junto da administração do Porto de Lisboa se Ramiro Raimundo foi visto ultimamente na empresa, mas até à hora de fecho desta edição não foi possível obter qualquer resposta.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)