Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
1

GNR e PSP formados para conduzir camiões durante greve dos motoristas

Agentes e militares com carta de pesados estão de hoje a sexta-feira a treinar manuseio de matérias perigosas.
Andresa Pereira,Diana Ramos e Wilson Ledo 7 de Agosto de 2019 às 08:58
Marcelo Rebelo de Sousa deixou apelo ao consenso. Em dezembro, o Chefe de Estado ouviu queixas dos motoristas
Greve de motoristas
Marcelo Rebelo de Sousa deixou apelo ao consenso. Em dezembro, o Chefe de Estado ouviu queixas dos motoristas
Greve de motoristas
Marcelo Rebelo de Sousa deixou apelo ao consenso. Em dezembro, o Chefe de Estado ouviu queixas dos motoristas
Greve de motoristas
Os militares da GNR e agentes da PSP que têm carta de condução de pesados vão entre hoje e sexta-feira receber formação para conduzir camiões caso a greve dos motoristas, agendada para 12 de agosto, avance e se prolongue, segundo apurou o CM.

O Governo levou a cabo nos últimos dias um levantamento da informação dos agentes das forças de segurança com carta de condução C+E, ou seja, de pesados com reboque.

O CM sabe que na PSP cada comando indicou dois a três agentes para receberem a formação em matérias perigosas. Uma dessas formações terá lugar na Base Aérea de Ovar.

O objetivo, segundo apurou o CM, é que as forças de segurança – tal como os militares – têm de estar preparadas para conduzir os camiões e abastecer os postos de combustível em caso de greve prolongada, evitando uma rutura no abastecimento. O CM contactou a assessoria do Ministério da Administração Interna, que recusou adiantar mais dados ao que o ministro afirmou de manhã. Eduardo Cabrita afirmou que está a ser preparado o planeamento para salvaguardar o abastecimento.

Ontem, o Presidente da República fez um apelo aos motoristas para que pesem as consequências da greve. "Não basta que os fins sejam legítimos, é preciso que os meios não prejudiquem os fins", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa. Ao CM, Pedro Pardal Henriques, vice-presidente do Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas, desvalorizou o apelo, lembrando que "todos os meios antecedentes foram utilizados".

Cinco transportadoras comunicaram que vão dar entrada com uma providência cautelar a pedir a ilegalidade do pré-aviso de greve. Pardal Henriques frisa que o objetivo é "tentar bloquear um direito constitucional". O ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, acredita ainda ser possível um acordo.

Números dividem patrões e sindicatos
Os representantes dos motoristas querem aumentos graduais no salário-base até 2022: 700 euros em janeiro de 2020, 800 euros em janeiro de 2021 e 900 euros em janeiro de 2022, o que, com os prémios suplementares que estão indexados ao salário-base, daria 1400 euros em janeiro de 2020, 1550 euros em janeiro de 2021 e 1715 euros em janeiro de 2022.

Segundo o advogado dos patrões, "o que estava em cima da mesa por parte da ANTRAM era um aumento de 300 euros para o próximo ano".
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)