Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
4

Governador sob pressão o escândalo da Caixa Geral de Depósitos

Auditoria foi entregue em junho mas Carlos Costa só se afastou do caso em novembro.
Beatriz Ferreira e Diana Ramos 12 de Fevereiro de 2019 às 01:30
Carlos Costa
Carlos Costa
Caixa Geral de Depósitos
Caixa Geral de Depósitos
Carlos Costa
Carlos Costa
Caixa Geral de Depósitos
Caixa Geral de Depósitos
Carlos Costa
Carlos Costa
Caixa Geral de Depósitos
Caixa Geral de Depósitos
O governador do Banco de Portugal só pediu escusa sobre a matéria relativa à auditoria da E&Y, que visa a gestão passada da CGD, cinco meses após o documento ter sido entregue. A pressão sobre Carlos Costa continua a crescer – sabe-se que participou em reuniões de conselhos de crédito em que foram aprovados alguns dos financiamentos mais ruinosos –, com BE e CDS a admitirem a exoneração.

A análise forense aos atos de gestão do banco público foi entregue em junho de 2018 e, de acordo com o Banco de Portugal, "o pedido de escusa relativamente à participação em deliberações sobre situações abrangidas pela auditoria foi apresentado na ocasião da primeira deliberação tomada neste âmbito, em 6 de novembro". Ou seja, quase cinco meses após a entrega do documento.

O CM questionou o supervisor sobre se a vice-governadora Elisa Ferreira também ia pedir escusa, já que é casada com Fernando Freire de Sousa, que presidiu à La Seda (um dos maiores devedores do banco público é a Artlant). Segundo o regulador, o gestor deixou de ter qualquer ligação ao grupo em abril de 2008. O financiamento inicial à Artlant é de 2008 e "foi a partir de 2010 que a exposição creditícia da CGD perante a Artlant aumentou significativamente".

"A vice-governadora considera que não existem razões que possam influenciar, ou que possam dar a aparência de influenciar, a sua atuação em matéria de supervisão da CGD."

Esta segunda-feira, o BE apresentou um projeto de resolução a recomendar ao Governo a demissão do governador. "O pedido de escusa mostra que há conflito de interesses", afirmou Mariana Mortágua. Já João Almeida, do CDS, diz que quer primeiro ouvir o governador no inquérito, mas não exclui a exoneração, tal como o PCP.

"Há uma responsabilização que deve ser apurada", assume Jerónimo de Sousa. No PSD, Leitão Amaro entende que as "conclusões devem ser feitas com base na comissão de inquérito".

Esta segunda-feira, em Bruxelas, o secretário de Estado das Finanças garantiu que "serão tiradas todas as consequências sem olhar a quem".

"Estão a ser apuradas responsabilidades civis, criminais e contraordenacionais de todos os que estiveram envolvidos", disse Mourinho Félix.

A legislação prevê que o governador possa ser exonerado por "falta grave" ou incumprimento de requisitos.

Inquérito à Caixa vai ser debatido na quinta-feira
O Parlamento debate esta quinta-feira a criação de uma nova comissão de inquérito parlamentar à CGD e à gestão do banco público. A discussão surge após a apresentação de um projeto de resolução conjunto do CDS, PSD, PS e BE para "apurar as práticas da gestão da Caixa no domínio da concessão e gestão de crédito".
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)