Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
2

Governo desmente subida de salários

O ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, negou ontem que o Governo tenha decidido aumentar em cinco por cento os salários da administração do Banco de Portugal (BdP). A instituição liderada por Vítor Constâncio já garantiu que "as remunerações do conselho de administração em 2009 manter-se-ão iguais às de 2005".

23 de Maio de 2009 às 00:30
Constâncio tem o seu salário ‘congelado’ desde 2005
Constâncio tem o seu salário ‘congelado’ desde 2005 FOTO: Jorge Paula

"Desminto que da parte do Governo tenha havido qualquer decisão, qualquer intenção ou qualquer sinal que alguma vez tenha sido dado de poder vir a concordar com um aumento desta natureza [da administração do Banco de Portugal]", afirmou Teixeira dos Santos, em Lisboa. O ministro frisou que a actualização salarial do conselho de administração do BdP é "feita de acordo com a actualização decidida para os trabalhadores da Administração Pública".

O BdP frisou que, "desde 2005, essas remunerações [da administração] não foram alteradas". Desde logo, por causa do congelamento dos salários dos gestores públicos, em 2006 e 2007, depois "por lapso dos serviços na actualização das remunerações" em 2008, e em 2009 "por decisão da administração".

Com o congelamento dos salários da administração do BdP, os vencimentos dos restantes reguladores é também congelado.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)