Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
4

IGT obriga patrões a pagar

As 35 088 empresas e estabelecimentos que, em 2006, foram alvo da acção da Inspecção-Geral de Trabalho (IGT) estão agora obrigadas a pagar os salários em atraso e contribuições devidas à Segurança Social, além de uma coima, que varia entre os 16 e os 45 milhões de euros.
19 de Janeiro de 2007 às 00:00
“Caso a empresa não pague voluntariamente, o processo segue para tribunal, que obriga a empresa a pagar e penhora os seus bens”, explicou Paulo Morgado de Carvalho, inspector-geral do Trabalho.
Das apreensões de 2006, a IGT já arrecadou 12,2 milhões de euros.
No ano passado, a IGT apurou perto de 17 milhões de euros em salários em atraso e contribuições à Segurança Social, inspecções que incidiram em 570 mil trabalhadores.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)