Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
6

INVESTIMENTO CAIRÁ 3,4%

O investimento empresarial caiu 0,6 por cento em 2001 e os empresários prevêem um agravamento da tendência, para 3,4 por cento em 2002, indicou o Instituto Nacional de Estatística (INE).
25 de Julho de 2002 às 22:29
Em 2001, a evolução negativa do investimento deveu-se principalmente ao comportamento de três grandes sectores: indústria transformadora, que pesa mais de um quarto no investimento total e registou uma queda de 12,3 por cento, actividades imobiliárias e serviços às empresas (menos 6,6 por cento) e construção (menos 1,9 por cento).

Para 2002 antevêem-se quebras de investimento em mais sectores. A indústria transformadora deverá ver agravada a quebra para 17,1 por cento e a construção para 12,3 por cento. No comércio a tendência deverá inverter-se e o investimento cair 24,8 por cento em 2002, o mesmo sucedendo no alojamento e restauração, com uma baixa de 20,3 por cento, e com a indústria extractiva, com uma queda de 29 por cento.

As actividades financeiras, com um acréscimo de 11,8 por cento em 2002; transportes, armazenagem e comunicações, mais 9,9 por cento; e actividades imobiliárias e serviços às empresas, com um acréscimo de 3,3 por cento, contrariam a tendência geral.

Por subsectores das indústrias transformadoras, as maiores quedas de investimento em 2001 verificaram-se nos têxteis e vestuário (menos 39,1 por cento).
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)