Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
8

“Investimentos não asseguram qualidade”

Luís Campos e Cunha, economista e ex-ministro das Finanças, falou ao 'CM' sobre um manifesto a pedir que as grandes obras públicas planeadas pelo Governo sejam reapreciadas.
19 de Junho de 2009 às 23:51
“Investimentos não asseguram qualidade”
“Investimentos não asseguram qualidade”

Correio da Manhã – É um dos 28 subscritores (na sua maioria economistas) do manifesto que será divulgado amanhã [hoje] a pedir que as grandes obras públicas planeadas pelo Governo sejam reapreciadas. Por que razão decidiu subscrever este documento?

Luís Campos e Cunha – É necessário perceber que eu não sou contra as obras públicas, penso que elas são extremamente úteis, mas é necessário que os investimentos nas grandes obras públicas tenham qualidade. Os investimentos apresentados pelo Governo não asseguram, neste momento, a qualidade que se exige. Este manifesto vem apenas pedir que se reavalie muito bem estes projectos, de forma a que sejam benéficas e não más opções para o futuro de Portugal. Considero também necessário que se faça um amplo debate em Portugal para que estas questões sejam discutidas e para que se chegue a um consenso alargado.

– Desde que abandonou o actual Executivo, tem sido um dos grandes críticos deste Governo. Este não é um manifesto político-partidário?

– Este manifesto tem apenas em conta o bem de Portugal. É importante verificar que as pessoas que subscreveram este manifesto estão próximas dos vários quadrantes políticos, inclusive do partido que está no Governo.

– De todas as obras públicas anunciadas pelo Governo, neste momento, qual é aquela à qual mais se opõe?

– Volto a frisar que não sou contra nenhuma obra pública e apoio todos os projectos desde que estejam bem sustentados. Sou a favor de uma reavaliação dos investimentos porque, no actual contexto económico, é um enorme risco avançar para investimentos de milhões de euros sem ter a certeza de que o seu custo-benefício [os benefícios económicos dos projectos têm de ser maiores do que os custos envolvidos] está assegurado no futuro.

Ver comentários