Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
2

Leilão não vende barcos

Os inscritos atingiam a meia centena, mas na hora de licitar foram poucos os que se chegaram à frente. Apenas três, de um lote de 32 barcos usados, foram ontem vendidos na Nauticampo, em Lisboa, no único leilão dedicado às embarcações de recreio realizado em Portugal.
20 de Fevereiro de 2005 às 00:00
Um veleiro Kelt 6.20 com atrelado (sete mil euros), um outro marca da Beneteau First 18 (5400 euros) e um iate Cobalt 190 (15600 euros) foram as únicas embarcações vendidas ontem pela Sociedade de Leilões de Veículos, SA, para a Nautiser.
O lote apresentado foi escolhido de forma a contemplar uma grande variedade, desde motos de água a veleiros e iates semicabinados, explicou ao Correio da Manhã Miguel Carvalho, daquela leiloeira.
Apesar dos preços serem ‘convidativos’, como os qualificava o leiloeiro, este chegou mesmo a baixar os preços abaixo do valor de referência, numa tentativa de animar os compradores.
Os preços variavam entre os quatro e os 40 mil euros, mas nem assim os interessados arranjaram coragem para licitar uma única vez: 18 embarcações foram, por esse motivo, retiradas do leilão.
As restantes licitações ficaram abaixo do preço de reserva, ou seja. não atingiram o preço pretendido pelo vendedor, pelo que a venda depende de conversações posteriores.
Uma hora depois de dado por terminado o leilão já cinco interessados se tinham sentado “à mesa das negociações” de forma a encontrarem forma de fechar a compra, adiantou Miguel Carvalho. “Agora depende das vontades dos vendedores e dos compradores”, sublinha.
O resultado do leilão foi assim “fraco”, mas já de alguma forma esperado pela leiloeira, admitia Miguel Carvalho, dada a crise no País.
Este foi o segundo leilão de embarcações usadas de recreio realizado em Portugal.
O primeiro, que se realizou o ano passado na Nauticampo, teve mais “sucesso, tendo sido vendidas 15 das 35 embarcações.
FEIRA COM MENOS VISITANTES
“A Nauticampo terá este ano cerca de 13 mil visitantes menos do que no ano passado”, afirmou ao Correio da Manhã Miguel Carvalho, justificando assim a fraca participação – e resultados – no 2.º leilão de embarcações de recreio, realizado ontem no pavilhão da Nauticer. As vendas ficaram aquém das do ano passado, o primeiro ano em que se realizou este leilão específico. O número terá sido avançado quinta-feira – a feira termina hoje às 23 horas – pela organização do certame aos expositores, preparando-os para a falta de público.
Esta é uma feira tradicionalmente muito concorrida, onde estão presentes sectores como o das piscinas, veículos TT, desporto – artigos e equipamentos, montanhismo, caça submarina e jardins. Com presenças reconhecidas como a Sunseeker, Azimute, Beneteau e Janeaut e Astondoa, esta 38.ª edição da Nauticampo, Salão Internacional de Navegação de Recreio, Campismo, Caravanismo, Desporto e Piscinas, contou com mais de 500 expositores, provenientes de 26 países.
Tal como nas edições anteriores, realizaram-se um conjunto de actividades paralelas, como o 2.º Encontro Saúde em Piscinas, o Torneio de Futebol, uma Prova Contra Relógio, entre muitas outras actividades, num certame que atrai, anualmente, cerca de 110 000 visitantes.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)