Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia

LUTA CONTRA A SUCATA ACELERA

O combate ao abandono dos veículos em fim de vida (VFV) está a começar e promete apresentar resultados já em 2007. Para o efeito, está em preparação pela Valorcar uma rede nacional de empresas devidamente licenciadas que vão receber os VFV para posterior tratamento ambiental.
19 de Julho de 2004 às 00:00
Assim, todos os distritos do país vão ter um total de 29 centros que permitirão aos proprietários dos veículos a entrega dos mesmos com toda a comodidade e gratuitamente, de forma a evitar o abandono nas ruas. É que após a devolução do automóvel, a empresa que o recebe é que terá de tratar de toda a burocracia relacionada com o cancelamento da matrícula e o registo do automóvel.
A distribuição dos 29 centros será definida em função do número de veículos matriculados em cada distrito. Lisboa e Porto, com mais de 700 mil automóveis matriculados, terão direito a um mínimo de três centros (ver mapa ao lado), enquanto que os restantes receberão entre um e dois centros. Com esta rede, pretende-se que a imagem de carros abandonados nas ruas passe a ser coisa do passado, como explica ao CM Ricardo Furtado, director-geral da Valorcar. “Com a entrega gratuita, as pessoas deixam de ter desculpa para abandonarem os carros na via pública”.
Para cumprir estes objectivos, a Valorcar vai iniciar um processo de selecção para a criação destes centros com base em critérios de localização e de qualidade, pelo que está a receber candidaturas de empresas já existentes, que pretendem aderir à rede. Assim, para prosseguirem a sua actividade de forma legal, os sucateiros terão de se adaptar às novas regras ou ficarão de fora de todo o processo.
O processo que se pretende implementar vai permitir um avanço significativo em termos ambientais. Os objectivos são ambiciosos e têm como meta chegar a 2006 a reciclar 85% do peso de cada carro. Até agora apenas os metais e os pneus iam para reciclagem, mas com este novo sistema pretende-se alargar a reciclagem a muitos outros materiais.
Assim, depois da entrega nos centros que receberão os veículos, os carros serão desmantelados de forma selectiva. As peças que podem ser ainda utilizadas, os pneus, os vidros, os óleos, as bateria, os plásticos são enviadas para reciclagem. A parte restante, ou seja, a ‘carcaça’ metálica, é fragmentada (triturada) e o metal é enviado para siderurgias ou fundições.
“O problema é que muitas empresas apenas se preocupam com o que dá lucro, as peças para revenda e o metal. Os restantes componentes acabam por ser geridos de forma ambientalmente incorrecta. Agora esperamos induzir um salto qualitativo no sector, apagando de vez a imagem negativa que ainda têm”. explica Ricardo Furtado.
SEM BUROCRACIA
Com a criação das 29 empresas em todo o país, os proprietários de veículos em fim de vida terão perto de si um centro onde poderão deixar o seu carro velho sem terem de se preocupar com a burocracia.
Após a entrega do automóvel, o dono recebe do desmantelador um certificado de destruição que prova a entrega do mesmo num agente autorizado. O operador de desmantelamento envia depois cópias do certificado de destruição para a Valorcar, que monotoriza e fiscaliza todo o sistema, e para a Direcção-Geral de Viação. Esta última procede ao cancelamento da matrícula e informa a Conservatória do Registo Automóvel, que pode cancelar o registo, uma vez que o veículo se encontra em fase de destruição.
SOCIEDADE GESTORA
VALORCAR
A Valorcar (Sociedade de Gestão de Veículos em Fim de Vida) é uma empresa sem fins lucrativos, constituída por três associações do sector: a ACAP (Associação do Comércio de Automóveis de Portugal), a AIMA (Associação de Industriais de Automóveis) e a ANAREPRE (Associação Nacional dos Recuperadores de Produtos Recicláveis). A empresa foi licenciada no passado dia 2 de Julho.
170 MIL POR ANO
Todos os anos surgem 170 mil veículos em fim de vida e, destes, segundo as últimas estimativas, entre dez e 15 mil são abandonados nas ruas e nos campos. Com o novo sistema, monotorizado pela Valorcar, espera-se reduzir de forma progressiva este número.
Ver comentários