Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
8

Medo de despedimentos

Os trabalhadores da Varig estão preocupados com eventuais despedimentos que decorram em consequência do acordo com a TAP.
17 de Maio de 2005 às 00:00
A TAP está a um passo de entrar no capital da Varig
A TAP está a um passo de entrar no capital da Varig FOTO: arquivo cm
Esta é a primeira reacção à comunicação ontem realizada pela Fundação Ruben Berta à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) que a Varig iniciou com a TAP negociações com vista à aquisição de 20 por cento do capital da transportadora aérea brasileira.
O “memorandum de entendimento” entre as duas companhias está numa fase inicial, e o comunicado deixa bem claro que estas conversas são preliminares e pode não existir qualquer acordo.
Fontes da Varig afirmaram a vários jornais brasileiros que não existem intenções de dispensar quaisquer funcionários, que as conversações com a companhia aérea portuguesa estão apenas no início.
O objectivo é capitalizar as três empresas do grupo Varig – Varig SA, Varig VPTA e a VPSC – através da entrada de capital. O plano apresentado pela Fundação Ruben Berta (a maior accionista da Varig) contempla a aquisição de 20 por cento do capital, sem direito de controlo, da transportadora aérea, o máximo que a legislação brasileira premite a um grupo estrangeiro.
O administrador da TAP, Fernando Pinto – que foi presidente da Varig, entre 1996 e 2000 – sempre manifestou muito entusiasmo numa aliança com a companhia brasileira. A estratégia da transportadora portuguesa tem sido o reforço dos voos para o Brasil. A TAP tem 40 voos semanais para o Brasil, o que a coloca como a principal companhia aérea estrangeira a voar para este destino. No entanto, a transportadora portuguesa depende da Varig nos voos domésticos para distribuir os seus passageiros vindos da Europa.
Caso a Varig deixasse de distribuir os clientes da TAP pelo Brasil, a companhia portuguesa poderia perder a posição de liderança que tem neste destino.
As conversações entre a TAP e a Varig surgem num momento em que o Governo brasileiro se prepara para criar a ANAC – Agência Nacional de Aviação Civil, organismo que regulamentará o transporte aéreo neste país.
Entretanto, em Lisboa, o ministro das Obras Públicas, transportes e Comunicações, Mário Lino, informou ontem que as negociações entre as transportadoras aéreas TAP e Portugália estão paradas, mas recusou-se a relacionar esta situação com o acordo estabelecido entre a transportadora aérea portuguesa e a Varig.
NAMORO RECENTE
As negociações entre a TAP e a Varig correm já há algum tempo, e só não foram anunciadas porque o Governo se encontrava em gestão. A hipótese de entrada no capital da Varig é considerada por muitos “estratégica”. “Ou a TAP vence a corrida, ou são os espanhóis que ocupam o lugar”, afirmou ao CM uma fonte ligada ao processo.
Ver comentários