Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
3

Milhares sem pensão na Páscoa

Milhares de pensionistas só vão receber a sua reforma depois da Páscoa. Os reformados que recebem a sua pensão da Segurança Social via vale postal ou cheque vão passar as festividades da Páscoa sem este dinheiro, devido à tolerância de ponto dada ontem e ao feriado de hoje. O cheque só chega pelo correio na segunda-feira.

10 de Abril de 2009 às 00:30
Segurança Social apenas conseguiu acautelar as transferências bancárias antes do feriado
Segurança Social apenas conseguiu acautelar as transferências bancárias antes do feriado FOTO: d.r.

A Segurança Social assegurou que os pagamentos que se processam por transferência bancária fossem todos realizados ontem, mas não conseguiu articular os meios necessários para que os Correios conseguissem entregar a pensão antes da Páscoa.

Edmundo Martinho, presidente do Instituto da Segurança Social, referiu ao CM que "este ano houve a preocupação de assegurar que os pagamentos das pensões chegassem antes do feriado." "Conseguimos com os bancos, mas com os vales haverá atrasos". O Instituto da Segurança Social admite que serão "muitos milhares" de idosos que irão passar a Páscoa sem o cheque da pensão.

"Não conseguimos, mas isto serve para sublinhar às pessoas a importância de optarem pelo modo de transferência bancária para evitar estas situações", defende Edmundo Martinho que reconhece haver pensionistas para os quais "será mais complicado" ter uma conta bancária.

A situação afectará, sobretudo, os idosos que vivem no Interior, onde o uso do vale postal ou cheque é mais comum.

As pensões da Segurança Social, das quais beneficiam perto de dois milhões de idosos, são pagas sempre a dia 10 do mês corrente.

"PRECISO DA PENSÃO PARA COMPRAR MEDICAMENTOS"

Qualquer atraso no pagamento das pensões é motivo de grande preocupação para muitos reformados, que muitas vezes, chegam ao fim do mês sem qualquer verba. É o caso de Joaquim Abrantes, de 77 anos, que receava , à semelhança do que aconteceu no ano passado, não receber a reforma antes da Páscoa. "Fui operado ao coração e preciso da pensão para comprar os medicamentos", afirmou ao CM Joaquim Abrantes, que recebe uma pensão de cerca de 300 euros.

A verba foi depositada ontem, por transferência bancária, na sua conta, o que para Joaquim Abrantes "foi um alívio". "No ano passado só recebi a reforma depois do Domingo de Páscoa, e é uma situação muito complicada porque tenho as minhas contas para pagar e nem dinheiro para comprar uma amêndoa tinha", acrescentou. Mas quem recebe por cheque vai passar a Páscoa aflito. É por isso que o presidente do Instituto da Segurança Social, Edmundo Martinho, defende a importância dos pensionistas adoptarem a transferência bancária.

 

Ver comentários