Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
3

Misericórdia da Covilhã cria centro de dia para evitar despedimentos

A Santa Casa da Misericórdia da Covilhã vai abrir um centro de dia para rentabilizar os recursos humanos disponíveis e gerar novas receitas, anunciou o provedor Pedro Paiva.
6 de Janeiro de 2012 às 12:59
 Santa Casa da Misericórdia da Covilhã vai abrir um centro de dia para rentabilizar os recursos humanos disponíveis e gerar novas receitas
Santa Casa da Misericórdia da Covilhã vai abrir um centro de dia para rentabilizar os recursos humanos disponíveis e gerar novas receitas FOTO: d.r.

A medida integra o plano da nova mesa administrativa para evitar despedimentos e sanear as finanças da instituição que, segundo dados da anterior administração, tem um buraco financeiro de cinco milhões de euros, dívida que deverá ser renegociada com a banca, de modo a permitir o pagamento dos salários de Dezembro dos 130 trabalhadores.

Segundo Pedro Paiva, existem "reuniões quase constantes com os bancos para tentar encontrar uma solução, que pode surgir a qualquer minuto". O subsídio de Natal também está em atraso, mas o provedor admitiu que o pagamento pode ficar para mais tarde: "primeiro há que revolver o problema dos salários", frisou.  

Até aqui, "sempre que era preciso dinheiro, entregava-se património como garantia e agora não há margem de manobra", lamentou.  

A situação foi discutida na quinta-feira à tarde entre administradores e sindicato, que por sua vez já solicitou uma reunião ao secretário de Estado da Solidariedade e da Segurança Social, Marco António Costa.  

Questionado pela agência Lusa sobre a possibilidade de despedimentos, o provedor da Santa Casa da Misericórdia da Covilhã disse que pretende agir "ao contrário". Em vez de despedir, o objectivo passa por "criar novas valências o mais rapidamente possível". 

A mesa administrativa "já está a trabalhar na criação de um centro de dia para rentabilizar alguma mão-de-obra que possa haver em excesso". A nova valência vai ser criada "muito rapidamente" no edifício do lar de idosos da instituição, na parte da alta da cidade.  

As instalações do lar "têm capacidade" para acolher o novo serviço, pelo que "o investimento é zero", referiu Pedro Paiva, admitindo que possa haver deslocalização de funcionários entre as valências da Misericórdia. 

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)