Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
2

“Não sou dos mais bem pagos”

O presidente-executivo da EDP, António Mexia, frisou esta terça-feira que as remunerações a receber de 2009, na ordem dos 3,1 milhões de euros, foram fixadas pelos accionistas como reconhecimento pelo cumprimento dos objectivos de 2006 a 2008.
6 de Abril de 2010 às 19:48
António Mexia
António Mexia FOTO: D.R.

“Eram objectivos ambiciosos que a maioria das pessoas pensavam serem difíceis de atingir, mas foram claramente ultrapassados. Se não os tivéssemos atingido estas questões nem se colocariam”, disse no final da apresentação do projecto piloto da rede de energia inteligente, a instalar este ano pela EDP, em  Évora.

O gestor, elogiado na apresentação do projecto pelo primeiro-ministro José Sócrates “pelo contributo dado” a Portugal no domínio do sector energético, disse não ter “estranhado” as críticas do dirigente socialista, António José Seguro, ao classificar como ‘obsceno’ o valor recebido da EDP.

“As pessoas devem ser confrontadas quando não conseguem entregar o que era suposto”, respondeu ao críticos, informando, em seguida, que o seu vencimento, na ordem dos 8500 euros por dia,  não é dos mais elevados das empresas do PSI-20. 

“O ordenado da EDP não é de perto nem de longe o mais elevado”, sublinhou, deixando claro que uma redução dos prémios “é uma decisão dos accionistas”.

O secretário de Estado da Energia e Inovação, Carlos Zorrinho, não quis comentar este caso, mas defendeu que “num momento de crise deve-se repensar, de forma global, com são estabelecidas as remunerações”.

Com os 3,1 milhões de euros a receber, depois de aprovadas as contas em assembleia-geral de accionistas da EDP marcada para dia 16, António Mexia será o gestor mais bem pago de 2009.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)