Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
8

Noruegueses excluídos da venda dos Estaleiros de Viana

A proposta de compra dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC) apresentada pelo grupo Volstad Maritime foi excluída por ter entrado fora de prazo, anunciou à agência Lusa fonte da Empordef.
5 de Novembro de 2012 às 16:38
Aguiar-Branco revelou que Governo recebeu três propostas para a compra dos Estaleiros de Viana do Castelo
Aguiar-Branco revelou que Governo recebeu três propostas para a compra dos Estaleiros de Viana do Castelo FOTO: António Cotrim/Lusa

Segundo a fonte, esta proposta deu entrada depois das 10h00 desta segunda-feira, motivo que levou a Empordef e a comissão de fiscalização do processo de reprivatização dos estaleiros a decidirem a sua exclusão, validando apenas as que foram apresentadas por grupos do Brasil e Rússia. "Por uma questão de equidade foi decidido, de forma unânime, que a proposta seria excluída", disse a fonte.

Constituída em 1952 e especializada na construção de navios tecnologicamente avançados e de apoio às actividades "offshore", como prospecção de petróleo, a Volstad Maritime foi um dos quatro grupos convidados pelo Governo para a última fase da reprivatização dos estaleiros.

O ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco, revelou esta segunda-feira que recebeu três propostas vinculativas de compra dos estaleiros, mas a decisão de exclusão da proposta norueguesa aconteceu depois deste anúncio.

Segundo fonte governamental, o grupo português Atlantic Shipbuilding, que em Setembro assumiu a gestão dos estaleiros do Mondego, foi um dos quatro convidados pelo Governo para a última fase da reprivatização dos ENVC, que terminou hoje, mas não avançou com qualquer proposta vinculativa.

Na corrida à aquisição de 95% do capital social dos estaleiros continuam assim dois grupos.

Responsável por operações marítimas no Brasil e na Argentina, a Rionave Serviços Navais, com sede no Rio de Janeiro, apresentou uma proposta vinculativa de compra dos ENVC e representa vários interesses dentro da área, desde armadores a construtores navais.


O grupo JSC River Sea Industrial Trading, de origem russa mas desconhecido no setor, fecha o lote de duas empresas que formalizaram ofertas finais pela empresa dentro do prazo estipulado.

Depois de concluída esta fase, com a entrega de propostas de compra à Empordef, esta 'holding' do Estado para as indústrias de Defesa terá três dias para realizar uma avaliação técnica das mesmas.

Depois de concluída esta fase, a comissão de fiscalização liderada pelo presidente do grupo Frezite, José Manuel Fernandes, terá que se pronunciar sobre o processo num prazo de cinco dias.

Ou seja, a partir de 14 de Novembro o Governo terá condições para avaliar as propostas, sendo objectivo concluir o processo de reprivatização até final do ano.

Segundo uma resolução do Conselho de Ministros publicada a 29 de agosto, o "preço vinculativo apresentado para a aquisição das acções representativas do capital social" dos ENVC é um dos critérios de selecção desta "venda directa de referência".

O capital social dos estaleiros é composto por 5,950 milhões de acções, detidas totalmente pela Empordef, com um valor nominal, cada, de cinco euros, o que perfaz um total de 29,9 milhões de euros.

A "salvaguarda dos interesses patrimoniais do Estado" e a "idoneidade, capacidade financeira, técnica e de execução" dos proponentes são também condições de selecção neste processo, além da salvaguarda do maior número de postos de trabalho.

estaleiros viana do castelo empordef venda proposta volstad maritime ministério defesa
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)