Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
3

Novo Banco pesa e baralha contas do Estado até 2022

São mais de 800 milhões por ano que o Estado pode perder com herança do BES.
Miguel Alexandre Ganhão(miguelganhao@cmjornal.pt) 15 de Março de 2019 às 08:40
O Novo Banco vai continuar a ter impacto nas contas públicas, elevando o défice em 0,4 pontos percentuais até 2022
Presidente reforça que é preciso apurar o que houve no Novo Banco
Novo Banco
O Novo Banco vai continuar a ter impacto nas contas públicas, elevando o défice em 0,4 pontos percentuais até 2022
Presidente reforça que é preciso apurar o que houve no Novo Banco
Novo Banco
O Novo Banco vai continuar a ter impacto nas contas públicas, elevando o défice em 0,4 pontos percentuais até 2022
Presidente reforça que é preciso apurar o que houve no Novo Banco
Novo Banco
O Novo Banco deve baralhar as contas do Estado, pelo menos até 2022. O Conselho de Finanças Públicas (CFP) criou um cenário adverso que inclui a utilização integral do limite máximo de 3890 milhões de euros previsto no mecanismo de capital contingente até 2022, considerando a utilização de 1149 milhões de euros em 2019, 850 milhões de euros em 2020 e 2021 e 249 milhões de euros em 2022.

O cenário adverso inclui também o impacto total daqueles montantes no saldo global, incluindo o seu impacto nos juros, e o aumento das necessidades líquidas de financiamento nos mesmos montantes, "admitindo que a nova dívida a emitir é financiada por Obrigações do Tesouro a 10 anos".

O CFP indica que "os resultados obtidos apontam para que o saldo orçamental se deteriorasse 0,4 pontos percentuais do PIB (cerca de 804 milhões de euros) em cada um dos anos de 2019 a 2021 face ao cenário base". Em 2022, a herança do BES teria um impacto de 0,3 pontos percentuais (cerca de 600 milhões).

A CFP, liderada agora por Nazaré Costa Cabral, diz que a "economia portuguesa aparenta ter terminado a fase de expansão e estar a iniciar a fase descendente do ciclo". O grande ‘motor’ da economia, as exportações, terão este ano o seu último ano de crescimento.

"A procura externa dirigida a Portugal por parte dos países da área do Euro deve passar de 4,1% este ano para 3,1% em 2023", diz o relatório.

Marcelo insiste em auditoria completa
O Presidente da República insistiu esta quinta-feira que a auditoria às contas do Novo Banco deve abranger o período após a resolução do BES. "Há dinheiro dos contribuintes direta e indiretamente envolvido", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa. A auditoria pedida pelo ministério de Mário Centeno deixa de fora o período pós-resolução.

Vender imóveis aos preços de mercado
O Novo Banco garantiu "que não vende, nem pretende vir a vender, quaisquer imóveis a preços desajustados de valores de mercado", respondendo assim à afirmação de Helena Roseta que disse que o banco estava a vender "ao desbarato".

PORMENORES
Juros dão sinais de subida
A Euribor a três meses deu um ligeiro sinal de subida em janeiro passado para os -0,31% depois de 18 meses sem alterações. Os contratos de futuros para a Euribor a três meses têm subjacentes taxas positivas e crescentes até 2023.

Riqueza sobe 1,1%
Nas projeções da CFP o crescimento da economia será de 1,1% este ano, muito abaixo dos 2,2% apontados pelo Governo. Até ao final de 2023 o crescimento médio da economia nacional será de 1,5%.

Consumo privado trava
O consumo privado deverá abrandar até 2023. Este ano a CSF estima que as famílias gastem mais 2% (contra os 2,5% previstos pelo Governo). Esta evolução deverá retratar uma subida da taxa de poupança em 2019 e 2020 bem como o gradual abrandamento do rendimento disponível.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)