Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
5

Odebrecht condenada a pagar 2,4 mil milhões por escândalo dos subornos

Sanção multimilionária resultou de um acordo negociado pela construtora brasileira com o Departamento de Justiça.
17 de Abril de 2017 às 23:20
Odebrecht
Odebrecht
Odebrecht
Odebrecht
Odebrecht
Odebrecht
Um juiz federal de Nova Iorque condenou hoje a construtora brasileira Odebrecht a pagar uma multa de 2,6 mil milhões de dólares (2,4 mil milhões de euros), pelo escândalo dos subornos em países de África e América do Sul.

A empresa brasileira vai ter de pagar 2,39 mil milhões de dólares no Brasil, 116 milhões na Suíça e mais 93 milhões nos EUA em resultado da sentença ditada pelo juiz Raymond Dearie, confirmou à agência EFE um porta-voz da procuradoria federal do distrito leste de Nova Iorque.

A sanção multimilionária, que foi conhecida num tribunal de Brooklyn, resultou de um acordo negociado pela construtora brasileira com o Departamento de Justiça, bem como com as autoridades de Brasil e Suíça.

Segundo o Departamento de Justiça, a Odebrecht pagou cerca de 788 milhões de dólares em subornos em 12 países de África e América do Sul, incluindo o Brasil, onde anda a ser investigada há mais de dois anos no quadro da corrupção na petrolífera estatal Petrobras.

Em dezembro último, um tribunal de Nova Iorque já tinha condenado a petroquímica brasileira Braskem, controlada pelo grupo Odebrecht, a pagar uma multa de 632,6 milhões de dólares.

O pagamento de subornos foi feito a propósito de "mais de 10 projetos em 12 países: Angola, Argentina, Brasil, Colômbia, República Dominicana, Equador, Guatemala, México, Moçambique, Panamá, Peru e Venezuela", segundo os documentos do tribunal.

A maior construtora do Brasil fez um acordo de colaboração com a justiça brasileira em 10 de dezembro no qual, além de admitir a sua culpa e pagar uma multa, também estão incluídas delações de 77 quadros superiores em troca da redução de condenações futuras.

Estes testemunhos envolvem cerca de 200 políticos em desvios da Petrobras e o financiamento ilegal de campanhas eleitorais, incluindo o atual Presidente de Brasil, Michel Temer, segundo referiram diferentes meios.
Raymond Dearie juiz Odebrecht Nova Iorque África Suíça EUA Petrobras Braskem Angola subornos
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)