Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
8

“Para o enxovalho público não estou disponível”

Rui Rio demitiu-se de administrador não-executivo da Metro do Porto por ser obrigado a devolver as remunerações indevidas desde Janeiro de 2007. Uma situação detectada pelas Finanças no cumprimento da lei que proíbe os autarcas de acumularem salários nas empresas públicas.
30 de Abril de 2010 às 00:30
Finanças detectam remunerações proibidas desde Janeiro de 2007
Finanças detectam remunerações proibidas desde Janeiro de 2007 FOTO: José Coelho/Lusa

"Para este enxovalho público não estou disponível. Para mim basta", disse o presidente da Câmara e da Junta Metropolitana do Porto. "O Governo perdeu o sentido do ridículo", refere Rio, alegando ter reduzido substancialmente e de moto próprio o vencimento na Metro do Porto. "Aceitei a demagogia de trabalhar e assumir responsabilidades de graça."

Os autarcas Marco António Costa, de Gaia, Mário de Almeida, de Vila do Conde, e Valentim Loureiro, de Gondomar, também têm de devolver remunerações. 

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)