Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
9

Pedida nova condenação

O Ministério Público pediu ontem, no Tribunal de São João Novo, no Porto, que os liquidatários e leiloeiros envolvidos no caso da venda de massas falidas sejam novamente punidos por fraudes e corrupção. Os 17 arguidos já tinham sido condenados em 2009, num primeiro julgamento, que o Tribunal da Relação mandou repetir parcialmente.
27 de Novembro de 2012 às 01:00
Liquidatário Oliveira e Silva foi condenado a 18 anos de prisão
Liquidatário Oliveira e Silva foi condenado a 18 anos de prisão FOTO: José Rebelo

Nas alegações finais, a procuradora leu todos os factos provados e a que cada um dos arguidos responde, criticando, assim, a decisão do Tribunal da Relação. "A maior parte dos vícios apontados pela Relação poderia ter sido sanada pelos próprios poderes do tribunal de recurso. Assim, podia ter reduzido a audição a cinco testemunhas e não a 100", disse Maria José Néri.

A representante do MP, que só não vai pedir a condenação da liquidatária Maria do Céu Carrinho, manteve a convicção de que os cérebros do esquema – onde as leiloeiras cobravam comissões ilícitas aos liquidatários, para depois dividirem os pagamentos entre si e prejudicar as massas falidas – eram Avelino e Aurora Pinto, da Sociedade Nacional de Leilões. Já o liquidatário judicial Oliveira e Silva, que teve a pena mais pesada (18 anos de prisão), deve ser punido por corrupção e peculato.

PORTO JULGAMENTO LEILÃO CORRUPÇÃO MINISTÉRIO PÚBLICO
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)