Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
8

Petróleo desce mais que gasolina

O preço do petróleo transaccionado no mercado de futuros de Londres cotava-se ontem a 62,77 dólares. Desde o máximo histórico de 74,68 dólares na praça londrina, a 10 de Agosto de 2006, a quebra é de 11,9 dólares, ou 19 por cento.
16 de Setembro de 2006 às 00:00
As petrolíferas que operam em Portugal justificam as subidas de preço dos combustíveis com as cotações da matéria-prima nos mercados de futuros de Nova Iorque e de Londres. O aumento reflecte-se de imediato nos postos de abastecimento da Galp e da BP no nosso país. Mas quando a fonte energética diminui nas praças referidas, as petrolíferas demoram a baixar os preços.
Baixa essa que não é consoante a do petróleo a nível internacional. Senão vejamos: desde 10 de Agosto, o custo do litro de gasolina sem chumbo 95 diminuiu 11 cêntimos nos postos de abastecimento da Galp (descida de 8,6 por cento, para 1,278 euros). A petrolífera portuguesa reduziu o preço do gasóleo em 2,1 cêntimos (quase dois por cento, para 1,068 euros).
Nos postos de abastecimento da BP, e não aconteceu em todos, o litro da gasolina sem chumbo 95 desceu nove cêntimos (6,9 por cento, para 1,299 euros). A petrolífera britânica diminuiu o preço do litro de gasóleo em apenas 0,2 cêntimos (0,18 por cento, para 1,087 euros).
Conforme declarou ao Correio da Manhã o secretário-geral da DECO, Jorge Morgado, “as descidas de preços tardam e não acompanham” as dos mercados londrino e nova-iorquino. Isto porque “não existe concorrência benéfica ao consumidor, apesar da liberalização dos preços dos combustíveis no nosso país desde o ano passado.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)