Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
8

Presidente do BCP preocupado com desblindagem dos estatutos dos bancos

Lei entra em vigor a 1 de julho.
21 de Abril de 2016 às 22:28
Nuno Amado, presidente-executivo do BCP
Nuno Amado, presidente-executivo do BCP FOTO: António Cotrim/Lusa
O presidente-executivo do BCP admitiu esta quinta-feira que está preocupado com a desblindagem dos estatutos no que respeita às restrições dos direitos de voto e afirmou que o banco tomará uma posição "futuramente", depois de uma assembleia-geral.

"Preocupa-me a questão da desblindagem dos estatutos, obviamente que me preocupa, porque os acionistas, os investidores do BCP quando investiram [no BCP] fizeram-no dentro de um enquadramento, um contrato de sociedade e um conjunto de regras", disse Nuno Amado aos jornalistas no final da assembleia-geral do banco.

De acordo com o presidente-executivo do BCP, "as pessoas quando investiram sabiam quais eram as regras que existiam e fizeram-no nesse pressuposto".

"Na minha opinião, deveria de caber, obviamente, apenas à sociedade alterá-los [aos estatutos]. No entanto, houve uma alteração legislativa que é conhecida, aceitamo-la, analisaremos proximamente os efeitos desta alteração e o banco ou os seus acionistas tomarão as decisões que considerem adequadas numa futura assembleia-geral, futuramente", afirmou o responsável.

Para já, e sem adiantar para quando essa reunião magna de acionistas, Nuno Amado disse apenas que o BCP está "em fase de análise, de ponderação, para ver quando avançar".

Esta assembleia-geral do BCP aconteceu um dia depois de ter sido publicado o diploma que facilita a desblindagem dos estatutos dos bancos no que respeita às restrições dos direitos de voto.

Pela nova lei, que entra em vigor a 1 de julho, os bancos que tenham limites de voto nos estatutos (caso do BPI mas também do BCP) têm até final no ano para realizarem assembleias-gerais e decidirem sobre esse assunto e, se a proposta de desblindagem de estatutos for feita pelo conselho de administração, essa reunião é feita sem as limitações de votos em vigor, o que facilita alteração dos estatutos. Ainda assim, a decisão sobre alteração precisa de uma maioria de dois terços, isto do total do capital presente em assembleia-geral.
BCP Nuno Amado desblindagem estatutos economia negócios e finanças
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)