Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia

Procura de ações dos CTT superou em 6,5 vezes a oferta

Procura das ações destinadas ao público em geral foi ainda maior.
25 de Novembro de 2013 às 21:10
Parpública, CTT, Correios, CMTV, ações, procura
Parpública, CTT, Correios, CMTV, ações, procura FOTO: Helena Poncini

A procura de ações dos CTT - Correios de Portugal superou a oferta em 6,5 vezes no final do primeiro período de venda destes títulos, segundo a informação avançada esta segunda-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) pela Parpública.

De acordo com a nota Parpública, baseada nas ordens recebidas pelos serviços centrais da bolsa de Lisboa, para as 21 milhões de ações de oferta houve uma procura de 136,6 milhões, mais de seis vezes acima.

Por segmentos, nas ações destinadas ao público em geral a procura foi ainda maior, ao superar em mais de oito vezes as 15,75 milhões de ações disponíveis. Os títulos requeridos neste caso foram de 135,3 milhões.

Já a procura pelas ações destinadas ao trabalhadores da empresa ficou quatro vezes abaixo do lote de 5,25 milhões disponível, tendo sido de apenas 1,26 milhões de ações.

A primeira fase da Oferta Pública de Venda (OPV) dos CTT terminou hoje, sendo que as ordens de compra de ações podem ser revogadas até terça-feira. 

Os CTT, detidos atualmente pelo Estado na totalidade, estão em processo de privatização de 70% do seu capital, numa operação que começou a 19 de novembro e termina no início de dezembro.

O Governo aprovou que as ações vendidas em bolsa no âmbito da privatização da empresa terão um preço que oscilará entre os 4,10 euros e os 5,52 euros.

Do total de 105 milhões de ações da empresa, representativas de 70% do capital social, 21 milhões são vendidas através de operação pública de venda (OPV) e as restantes através de venda direta institucional (84 milhões de ações).

Do total reservado à OPV, um lote de 5,25 milhões de ações é destinado aos trabalhadores dos Correios e 15,75 milhões de ações para o público em geral.

Segundo a resolução do Conselho de Ministros, cada investidor particular não pode comprar mais de 25 mil ações dos CTT e os trabalhadores estão limitados a 2.500 ações. Assim, um investidor particular pode gastar cerca de 120 mil euros em ações dos CTT e um trabalhador 12 mil euros, isto caso todas as ações sejam vendidas ao preço médio do intervalo hoje divulgado (4,81 euros).

O preço das ações vendidas a investidores institucionais não pode ser inferior ao praticado na OPV. Caso todas as ações sejam vendidas ao preço médio do intervalo divulgado (4,81 euros), o Estado encaixaria um total de 505,05 milhões de euros.

Parpública CTT Correios CMTV ações procura
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)