Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
6

Produção de cereais cai 60%

A actual campanha cerealífera portuguesa é a pior das últimas décadas, com “quebras na produção global superiores a 60 por cento”, comparando com a campanha anterior e com a média dos últimos cinco anos.
19 de Agosto de 2005 às 00:00
Segundo o INE, a presente campanha foi a pior das últimas décadas
Segundo o INE, a presente campanha foi a pior das últimas décadas FOTO: Luís Forra/Lusa
A afirmação foi feita ontem pelo INE – Instituto Nacional de Estatística, tendo por base as previsões agrícolas do passado dia 31.
O organismo especializado em estatísticas disse que “a actual previsão de área de milho em regime de regadio aponta para um decréscimo de 20 por cento” em relação ao ano passado, “devendo situar-se nos 98 mil hectares, cerca de três quartos da área média dos últimos cinco anos.”
Também está previsto um forte decréscimo (35 por cento) para a batata cultivada em regime de sequeiro. Segundo o INE, a redução para as 63 mil toneladas previstas “deve-se à seca, que prejudicou a formação de tubérculos.”
Nos pomares de pereira, “começam a notar-se – afirmou o Instituto Nacional de Estatística – algumas situações de stress hídrico acompanhadas de paragem, de crescimento.” E “perspectiva-se uma quebra de produção de 25 por cento, após a boa campanha do ano anterior.”
Já a produtividade de maçã e de pêssego deve ser igual à da campanha anterior: maçã, 13 267 quilos por hectare; pêssego, 8 338 quilos por hectare.
Em stress hídrico entrou também alguma vinha, conforme noticiámos há cerca de duas semanas. No entanto, a quebra de produção de uva para vinho, de acordo com a previsão do INE, é de apenas quatro por cento. Para a uva de mesa, espera-se uma quantidade semelhante à da campanha do ano passado.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)