Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia

Regulador dos seguros desconhece investigação a cartelização de preços no setor

"Se existir cartelização de preços, a ASF obviamente não está de acordo, mas não sei o que está em causa", afirmou José Almaça.
11 de Julho de 2017 às 19:31
José Almaça, presidente do Instituto de Seguros de Portugal
José Almaça, presidente do Instituto de Seguros de Portugal
José Almaça, presidente do Instituto de Seguros de Portugal
José Almaça, presidente do Instituto de Seguros de Portugal
José Almaça, presidente do Instituto de Seguros de Portugal
José Almaça, presidente do Instituto de Seguros de Portugal
José Almaça, presidente do Instituto de Seguros de Portugal
José Almaça, presidente do Instituto de Seguros de Portugal
José Almaça, presidente do Instituto de Seguros de Portugal
O presidente da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF) disse hoje, no Parlamento, que desconhece o que está em causa na investigação da Autoridade da Concorrência a seguradoras por suspeitas de cartelização de preços.

"Se existir cartelização de preços, a ASF obviamente não está de acordo, mas não sei o que está em causa, não me foi dado conhecimento", afirmou José Almaça, que está a ser ouvido na comissão parlamentar de Orçamento e Finanças.

O responsável pelo regulador dos seguros considerou, contudo, que é necessário "saber do que estamos a falar" quando se fala em concertação de preços e considerou que a forma de fixar preços é bem diferente consoante o setor em causa.

"Quando se fixa um preço em seguros não é igual ao que se faz num par de sapatos. O setor segurador tem um ciclo de produção invertido, porque cobre à cabeça e o serviço é prestado depois. Em teoria atuarial, o prémio de risco de seguros devia ser igual para todos, se o risco é o mesmo, o prémio é o mesmo", afirmou José Almaça.

Assim, considerou, que falar em combinação de preços em seguros trata-se de "areias movediças", porque "o conceito de preços [nos seguros] não é o mesmo que em outro setor".

A Autoridade da Concorrência realizou a semana passada "diligências de busca e apreensão em cinco instalações de quatro empresas" seguradoras, na Grande Lisboa, por "indícios de cartel no setor segurador", que fundamentam suspeitas de infração à Lei da Concorrência.

Nestas diligências colaborou o DIAP [Departamento de Investigação e Ação Penal], estando o processo em segredo de justiça, "a fim de preservar os interesses da investigação", adianta a Concorrência na página na Internet.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)