Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
2

REPSOL REFORÇA PRESENÇA

A Repsol acaba de reforçar a sua posição em Portugal ao comprar à Borealis, as instalações no complexo petroquímico de Sines. A empresa espanhola não revelou os montantes envolvidos, mas fontes próximas do negócio apontam para valores próximos dos 200 milhões de euros.
9 de Outubro de 2004 às 00:00
“A Repsol assinou um acordo com a Borealis para adquirir a Borealis Polímeros, que inclui todos os activos do complexo petroquímico em Sines, Portugal”, anunciou a petrolífera espanhola em comunicado.
O acordo foi assinado quinta-feira, em Lisboa, pelos conselheiros delegados da Repsol YPF, Ramón Blanco, e da Borealis, John Taylor, e está agora pendente de autorização da Comissão Europeia, o que poderá demorar três a quatro semanas, segundo fontes ligadas ao processo.
As mesmas fontes calculam que o valor do complexo petroquímico de Sines deverá estar próximo dos 200 milhões de euros, embora a empresa espanhola se tenha escusado “por razões de confidencialidade do contrato” a divulgar o montante do negócio. “Esta aquisição mostra o interesse da companhia pelo mercado português e reflecte a crescente interligação dos fluxos económicos entre os dois países e a força da sua actividade empresarial”, sustentou o conselheiro delegado da Repsol YPF.
O primeiro acto de Ramón Blanco depois do acordo de compra foi a visita de cortesia que fez, ontem, aos presidentes das camâras de Sines e Santiago para manifestar-lhes “a importância que a empresa dá a este projecto”.
Com esta compra, a Repsol aumenta em 38 por cento a sua capacidade de ‘cracker’, em 28 por cento a capacidade de produção de poliolefinas e em 55 por cento a capacidade de produção de polietileno [todos produtos petroquímicos base].
Além disso, frisa a empresa, aumenta a sua carteira de produtos com novas aplicações que não tinha actualmente nos complexos petroquímicos de Puertollano e Tarragona.
A Repsol, uma das dez maiores petroliferas privadas do mundo, tem cinco refinarias importantes em Espanha, em duas das quais tem complexos químicos aos quais acrescenta agora um em Portugal.
NOTAS
RETALHO
A Repsol comprou recentemente as estações de serviço da Shell no mercado português para acresentar à sua rede própria, criando a Repsol Portugal, que tem como responsável máximo Jacobo Hernandez. Com este negócio a Repsol passou a ter 417 estações de serviço o que representa uma quota de mercado de 19 por cento.
DISTRIBUIÇÃO
Com a compra do negócio da Shell, a Repsol passou a deter 15 por cento da Companhia Logística de Combustíveis (CLC), empresa responsável pela distribuição do combustível pelos vários postos do País.
O COMEÇO
A Repsol iniciou as suas actividades em Portugal em 1982, com a venda de combustíveis marítimos e produtos químicos. Nos anos 90 começou a desenvolver outras áreas de negócio. como o retalho de combustíveis e GPL.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)