Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
2

Santander encerra 60 balcões em 2020 em Portugal e prevê fechar mais até ao final de março

Comissão Executiva afirma que se trata de uma adaptação ao modelo de negócio que diz ser obrigatória para sobreviver.
Lusa 25 de Janeiro de 2021 às 08:31
Banco Santander assaltado
Banco Santander assaltado FOTO: Rodrigo Andrade
O Santander encerrou 60 balcões em 2020 e estima fechar mais cerca de 30 este trimestre, numa adaptação ao modelo de negócio que diz obrigatória para sobreviver, segundo uma carta enviada esta segunda-feira aos colaboradores a que a Lusa teve acesso.

A Comissão Executiva, que assina a carta, começa por justificar o envio da nota "face a notícias recentes que envolvem o banco", numa alusão aos apelos dos sindicatos para que suspenda o processo em curso dado o agravamento da pandemia, e que, em 19 de janeiro, já a tinha levado a esclarecer não vigorar "qualquer processo de rescisões por mútuo acordo", mas sim propostas de pré-reforma ou da revogação de contratos de trabalho.

"O Banco Santander é reconhecido desde há vários anos como o mais sólido Banco de Portugal. Nos últimos cinco anos, integrámos o Banif e o Banco Popular, o que provocou uma sobreposição de balcões e de serviços, quer na rede comercial, quer nos serviços centrais", lembram de seguida.

Para além destas integrações, o banco diz que tem concentrado "os esforços e investimento em acompanhar a era da digitalização" que se vive, "com uma redução progressiva de balcões, redefinição funcional de outros, e a automação crescente de processos e funções ao nível dos serviços centrais".

Ao mesmo tempo "tem adaptado" o modelo de negócio "a novas variantes da atividade bancária e às diferentes exigências e níveis de concorrência", sublinhando tratar-se de um contexto de transformação "obrigatório para todos os bancos que queiram sobreviver no futuro, especialmente no contexto de forte compressão de receitas" que se vive e "tendo presente o aumento da concorrência com a entrada de novos agentes (Fintechs e BigTechs) e a alteração radical do comportamento dos clientes" bancários.

"Nos últimos anos, a rentabilidade dos bancos foi constrangida por diversos fatores que são por todos conhecidos, com destaque para a exigência de níveis de capital mais elevados (de 2008 para hoje, o aumento do capital regulatório mínimo de 8% para 12,5% implicou, no caso do Santander Totta, a necessidade de mais 750 milhões de euros de capital para simplesmente poder operar), a existência e persistência de taxas de juro negativas, e generalizadas limitações a comissões", explica a Comissão Executiva.

Em termos nacionais, a gestão aponta condicionantes "como o custo que o banco tem com a resolução de outros bancos e outras taxas setoriais, que ascende hoje a mais de 74 milhões de euros/ano".

O Santander adiciona a estas explicações "as atuais exigências dos clientes" com os serviços digitais e níveis de disponibilidade permanentes dos serviços bancários.

"No último ano, as vendas em canais digitais por cliente ativo aumentaram significativamente; tem vindo a descer sucessivamente, ano após ano, o número de clientes que visitam um balcão (29% em dois anos), bem como os novos clientes captados por este canal (22% em dois anos), num movimento que se manterá crescente nos próximos anos", acrescentam.

E é neste quadro que o banco, reafirma, que tem vindo a fazer "desde há vários anos", propostas de "acordos de saída (reforma ou revogação de contrato) a muitos colaboradores dos serviços centrais e da área comercial, diretivos e não diretivos".

Um fenómeno que, reforça, é "comum a todo o setor bancário". O grupo, tal como os "internacionais, tem vindo a concretizar a transformação do modelo de negócio nos países europeus em que opera", nomeadamente "com redimensionamentos" nas suas filiais de Espanha, Polónia, Portugal e Reino Unido.

"Como anteriormente, durante o ano de 2020, o contacto com os colaboradores manteve-se, agora com necessária predominância de propostas de acordos de revogação, apresentando o banco a cada colaborador as melhores condições do setor e ímpares na nossa economia, assegurando ainda uma rede de acompanhamento futuro a cada colaborador que saia do banco, que incluirá, entre outras, assessoria à recolocação profissional, apoio social, garantias de saúde, a par de manutenção de muitas das condições de que beneficiam os colaboradores do Banco", garante.

A Comissão Executiva admite que este ajustamento vai continuar durante 2021, "em linha com o encerramento de balcões e redimensionamento de serviços centrais", referindo que o banco "fechou mais de 60 balcões em 2020, e tem estimado encerrar cerca de 30 agências durante este trimestre, estando previsto implementar durante este ano diversas automações e alterações de processos nos serviços centrais, de forma crescente".

E é neste contexto que diz que procurará que as saídas de colaboradores "sejam feitas de comum acordo", "privilegiará sempre que possível as aceitações voluntárias a processos unilaterais e formais", tendo "sempre em consideração o contexto individual de cada colaborador e o contexto coletivo dos tempos atuais".

Ver comentários