Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
2

Segurança Social “condenada a ter problemas de sustentabilidade”

O actual sistema de Segurança Social está “condenado a ter problemas de sustentabilidade” a longo prazo, consideraram esta manhã os participantes no segundo painel do 'Fórum do Correio da Manhã'.
14 de Dezembro de 2011 às 16:19
Bastante crítico em relação ao futuro do sistema, Bagão Félix defendeu que “é preciso meter medo aos jovens”, alertando-os de que não vão ter as reformas que hoje se pagam a quem acede ao sistema
Bastante crítico em relação ao futuro do sistema, Bagão Félix defendeu que “é preciso meter medo aos jovens”, alertando-os de que não vão ter as reformas que hoje se pagam a quem acede ao sistema FOTO: Sérgio Lemos

Subordinado ao tema ‘Sustentabilidade dos Sistemas de Pensões e Reformas', o painel contou com intervenções do ex-ministro das Finanças, Bagão Félix, Helena Adegas, do Banco de Portugal, Pedro Assis, da Schroders, e Pedro Vale, da Associação Portuguesa de Seguradores.

Bagão Félix começou por enumerar os problemas com que se debate a Segurança Social, concretamente a sua sustentabilidade, que se encontra comprometida pela demografia, nomeadamente a diminuição da taxa de natalidade.

A primeira forma de ultrapassar o problema da sustentabilidade é "aumentarmos a riqueza", disse.

Bastante crítico em relação ao futuro do sistema, Bagão Félix defendeu que "é preciso meter medo aos jovens", alertando-os de que não vão ter as reformas que hoje se pagam a quem acede ao sistema.

O ex-governante sugeriu então que para salvar o sistema se torna necessário "fazer convergir a idade da reforma com a idade média com que as pessoas deixam de trabalhar", que actualmente ronda os 62 anos, preconizando a "reforma parcial", ou seja, estabelecer um patamar a partir do qual as pessoas poderiam deixar de trabalhar e usufruir de uma parte da pensão de reforma.

Bagão Félix defendeu ainda a criação de pensões crescentes, ou seja, tanto maiores quanto maior for a idade da pessoa.

Face à necessidade de encontrar "complementos" para a reforma, Helena Adegas defendeu que se devem "incentivar sistemas alternativos capitalizados", uma vez que nestes o dinheiro está lá, ao contrário do sistema da Segurança Social, que por oposição o escoa rapidamente. Uma das possibilidades que defendeu foi a criação, por parte das empresas, de mecanismos "mistos" em que o trabalhador e a empresa contribuiriam para um fundo de pensões.

No que toca a mecanismos alternativos, Pedro Assis (Schroders) adiantou que há vários e que o mercado "está a criar" novos produtos, defendendo igualmente que as empresas deveriam "incentivar a poupança" dos seus funcionários em vez de apostarem, como até aqui, na atribuição de "bens consumíveis" como automóveis e telemóveis, por exemplo. Antes de investir, porém, o director da Schroders considerou que é preciso "poupar mais, melhor e quanto antes".

"ASSIMETRIA FISCAL"

Sobre os produtos à disposição para investir para um complemento de reforma (acções, fundos de investimento, etc), Pedro Assis denunciou ainda a "assimetria fiscal" actualmente existente, sugerindo beneficios fiscais tanto maiores quanto maiores forem os prazos de investimento. Bagão Félix pegou na deixa e defendeu um benefício "à saída" e não na adesão ao produto.

Pedro Vale, da Associação Portuguesa de Seguradores, começou por revelar a discrepância da poupança em Portugal, onde apenas 20% das famílias poupam o equivalente a 90% do total, defendendo que se deve, sempre que possível, reservar "3 a 4%" do vencimento para o esforço de poupança, concretamente para complementos de reforma.

Quanto aos produtos à disposição para este objectivo, este responsável sugeriu a "regulação e fiscalização" nos produtos de longo prazo. Pedro Vale defendeu ainda a entrada das empresas neste esforço de poupança, e a garantia de que as pessoas vão poder usufruir de, pelo menos, o capital investido.

O responsável das seguradoras considerou ainda que se "cometeu um crime enorme" ao atacar os benefícios de um dos instrumentos de poupança preferidos dos portugueses, referindo-se aos Certificados de Aforro. Isto depois de Bagão Félix ter dito que preferia os PPR para investir, em detrimento dos ditos certificados.

bagão félix segurança social previdência pedro vale pensões reformas
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)