Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
2

Sindicato defende que só nacionalização garante postos de trabalho no Novo Banco

Sindicato da Atividade Financeira preocupado com negociações com a Lone Star.
Lusa 22 de Fevereiro de 2017 às 07:38
Novo Banco
Novo Banco FOTO: André Kosters/Lusa
O Sindicato da Atividade Financeira defendeu esta quarta-feira que só a nacionalização do Novo Banco pode garantir a continuidade dos postos de trabalho e reiterou a sua preocupação face às negociações entre aquela entidade e a Lone Star.

Em comunicado, o Sindicato dos Trabalhadores da Atividade Financeira (SinTAF), que esteve reunido na terça-feira com o conselho de administração do Novo Banco para apresentação da 2ª fase do plano de reestruturação, sublinhou que "só com a nacionalização se pode garantir a continuidade dos postos de trabalho, bem como a estabilidade da economia portuguesa".

"Reiterámos junto da administração do NB [Novo Banco] a nossa preocupação face às negociações entre o Banco de Portugal (Sérgio Monteiro) e a Lone Star (Fundo de investimento) cuja atuação a nível mundial demonstra claramente a sua génese predadora, necrófaga e especulativa e não augura nada de bom para os trabalhadores, não havendo garantia de não aplicação de um novo plano de reestruturação', salienta o sindicato na nota.

No entender do SinTAF, o Novo Banco, "pela sua dimensão, pelo apoio que pode dar às micro, pequenas e médias empresas e às famílias, devia manter-se sobre o controle público do Estado e colocado ao serviço do desenvolvimento económico do país e das famílias".

Por isso, o sindicato adianta que vai "continuar a estar atento a todo o processo de reestruturação, sempre que estiverem em causa os direitos dos trabalhadores".

O SINTAF lembra que até janeiro de 2017 saíram 1.142 trabalhadores, na continuidade do plano de reestruturação iniciado em 2016.

"O objetivo será a saída de mais 358 trabalhadores, prevendo-se que 150 a 200 sejam por reformas antecipadas", indica o sindicato no comunicado.

"O Novo Banco já reduziu a sua rede comercial de 550 balcões para 537, com este plano de reestruturação irá reduzir mais 62 balcões, ficando a rede comercial com 475 agências", é ainda referido.

O presidente do Novo Banco reuniu-se na terça-feira com a comissão de trabalhadores e com os sindicatos, informando-os do lançamento de um programa de rescisões voluntárias e outro de reformas antecipadas que visam a saída de 350 trabalhadores até junho.

Apesar de o programa - que arranca hoje e termina a 10 de março - ser, como o nome indica, de rescisões voluntárias, o Novo Banco reservou-se o direito de ter a 'palavra final' sobre os candidatos, isto é, um trabalhador pode querer aderir e a administração pode impedi-lo de avançar com o processo.

Desde novembro de 2015, saíram do Novo Banco 1.142 trabalhadores (excluindo as operações internacionais) e, levando em conta as vendas - ainda não concretizadas do NB Ásia e do Banque Espírito Santo et de la Vénétie (França) -, o total eleva-se para 1.327 pessoas.

Quanto aos balcões, o Novo Banco precisa de encerrar mais 70 agências para cumprir o objetivo de ter 550 balcões na atividade doméstica no final da primeira metade do ano.
Sindicato da Atividade Financeira economia novo banco nacionalização postos de trabalho emprego Lone Star
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)