Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
8

TAP recebeu 582 milhões de euros do Estado até ao final de setembro

Companhia aérea agravou os prejuízos nos primeiros nove meses do ano para 700,6 milhões de euros.
Lusa 30 de Novembro de 2020 às 07:35
tap
tap
A companhia aérea TAP recebeu, até ao final de setembro, 582,4 milhões de euros provenientes do Estado português, no âmbito do acordo para o auxílio à empresa iniciado em junho, de acordo com os resultados da empresa divulgados esta segunda-feira.

De acordo com o quadro referente a financiamentos e obrigações da empresa TAP S.A., que faz parte do Grupo TAP, em 30 de setembro a companhia tinha recebido 582,4 milhões de euros do Estado, fazendo esta parte da rubrica da dívida financeira, que ascende aos 1.992,4 milhões de euros.

As outras componentes dívida financeira são os empréstimos bancários e obrigações, que diminuíram de 1.083,4 milhões de euros no final de 2019 para 947,4 milhões de euros, e os passivos de locação com opção de compra, que aumentaram de 274,2 milhões de euros no final de 2019 para 1.699,4 milhões de euros no final de setembro.

A companhia aérea TAP agravou os prejuízos nos primeiros nove meses do ano para 700,6 milhões de euros, depois de ter registado um prejuízo de 110,8 milhões de euros no mesmo período de 2019, foi esta segunda-feira comunicado ao mercado.

No final de setembro, a TAP tinha em caixa e equivalentes 293 milhões de euros, abaixo dos 426,2 milhões de euros com que contava no final de 2019.

Já os passivos de locação financeira sem opção de compra diminuíram de 2.278,7 milhões de euros em 2019 para 2.159,7 milhões de euros em setembro deste ano.

A dívida financeira líquida da TAP S.A. ascendia a 1.699,4 milhões de euros em setembro, um aumento face aos 932,1 milhões de euros registados no final do ano passado.

A pandemia de covid-19 teve um impacto profundo nas operações da TAP que, à imagem do setor um pouco por todo o mundo, foi obrigada a paralisar a sua atividade durante vários meses.

A Comissão Europeia aprovou em 10 de junho um "auxílio de emergência português" à companhia aérea TAP, um apoio estatal de até 1.200 milhões de euros para responder às "necessidades imediatas de liquidez" com condições predeterminadas para o seu reembolso.

Em 02 de julho, o Governo anunciou que tinha chegado a acordo com os acionistas privados da TAP, passando a deter 72,5% do capital da companhia aérea, por 55 milhões de euros.

O Conselho de Ministros aprovou em 17 de julho a concessão de um empréstimo de até 1.200 milhões de euros à TAP, em conformidade com a decisão da Comissão Europeia.

No início de agosto, os acionistas da companhia aérea brasileira Azul, liderada por David Neeleman, aprovaram, em assembleia-geral, o acordo de saída da TAP, incluindo a eliminação de direitos de converter em ações das obrigações relativas ao empréstimo da Azul à TAP, realizado em 2016, de 90 milhões de euros, e a alienação da posição da Global AzurAir Projects na TAP.

Além do empréstimo remunerado a favor do Grupo TAP de 946 milhões - ao qual podem acrescer 254 milhões, sem que o Estado esteja vinculado a essa disponibilização -, envolveu a aquisição, por parte do Estado português, de participações sociais, de direitos económicos e de uma parte das prestações acessórias da atual acionista da TAP SGPS, Atlantic Gateway, SGPS, Lda.

No Orçamento do Estado para 2021 (OE2021), o Governo reservou um valor de 500 milhões de euros em garantias para a TAP, para que a empresa se possa eventualmente financiar no mercado, a juntar aos 1.200 milhões de euros já aprovados em empréstimos.

O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, já admitiu que a companhia aérea TAP poderá precisar de mais do que os 500 milhões de euros inscritos no OE2021, considerando-o "um valor ainda indicativo e referencial" que "não é o pior cenário", mas sim "o cenário base".

Ver comentários