Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia

Teixeira dos Santos defende que Portugal são precisos mais de 290 anos para igualar produtividade da zona euro

Antigo ministro das Finanças afirma que "não há possibilidade" de melhorar o nível de vida dos portugueses se não melhorar a produtividade.
Lusa 15 de Janeiro de 2022 às 09:54
Teixeira dos Santos foi ministro das Finanças, gabinete por onde passou a renegociação dos contratos
Teixeira dos Santos foi ministro das Finanças, gabinete por onde passou a renegociação dos contratos FOTO: Lusa
O antigo ministro das Finanças Fernando Teixeira dos Santos estima que, mantendo as atuais condições, Portugal precisa de mais de 290 anos para igualar a média de produtividade da zona euro.

Em entrevista à Lusa, a propósito do lançamento do livro "Mudam-se os tempos, mantêm-se os desafios" da Bertrand Editora, o antigo governante disse este sábado que "não há possibilidade" de melhorar o nível de vida dos portugueses se não melhorar a produtividade. "Não há outra via, não há outro caminho. Não tenhamos ilusões quanto a isto", defendeu.

"A correlação entre o nosso rendimento real e a produtividade é da ordem dos 98%/99%. Uma coisa anda a par da outra. Se o país quer melhorar o seu bem-estar, o seu nível de vida tem que melhorar a produtividade. Isto é um grande desafio a todos nós: ao Estado, às famílias, aos trabalhadores, aos empresários, a todos nós. É este o desafio que o país tem de enfrentar e, no meu entender, dar-lhe uma grande prioridade", sublinhou.

Numa simulação integrada no livro que será lançado, respetivamente, em Lisboa e no Porto, em 19 e 20 de janeiro, Teixeira dos Santos calcula que, se se mantiverem as taxas de crescimento da produtividade em Portugal e na zona euro, serão necessários 45 anos para que o país atinja 60% da produtividade média dos países da moeda única e 154 anos para atingir os 75%.

"Temos de facto de fazer alguma coisa de muito significativo no progresso da nossa produtividade, porque senão continuaremos atrás da média europeia", defendeu.

Os cálculos têm como níveis de partida a média do nível de produtividade observada entre 2015 e 2019, recordando que a produtividade do trabalho em Portugal representa cerca de 54% da média da zona euro e o seu crescimento médio anual entre 1999 e 2019 foi de 0,93%, superior ao valor médio registado nos países da moeda única, de 0,72% ao ano.

Teixeira dos Santos assinalou à Lusa que as taxas de crescimento da produtividade na última década são "muito baixas", argumentando que "a crescer a esta média o progresso da produtividade é muito lento".

É que, "à medida que nós progredimos, a zona euro também progride - pouco como nós, mas também progride", explicou.

"Estamos a perseguir um alvo que está em movimento e vai demorar muito tempo a apanhá-lo", frisou.

O ex-governante salientou que o país tem um baixo coeficiente de capital e trabalho. "Há pouco capital por trabalhador. Portanto os trabalhadores também não podem ser muito produtivos se não têm esses equipamentos, essas ferramentas, essas infraestruturas a apoiar o esforço produtivo. Isso tem a ver com um baixo nível de investimento na economia portuguesa, que faz com que o 'stock' de capital da economia seja reduzido", disse.

Destacou, neste sentido, que historicamente o 'stock' de capital tende a aumentar, mas em Portugal "nos últimos anos está a diminuir, o que compromete o crescimento e a produtividade".

De acordo com os cálculos do antigo ministro de Estado e das Finanças, inscritos no livro, se por exemplo, a produtividade de Portugal crescer, em média 2% ao ano, o país atingirá "60% da média europeia no final da década e demorará quase meio século a igualá-la".

Fernando Teixeira dos Santos foi ministro de Estado e das Finanças, entre 2005 e 2011, tendo sido o responsável pelo pedido de ajuda externa de Portugal aquando da crise económica e financeira. Entre diversos cargos, entre 2000 e 2005, foi também presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), tendo sido entre 2016 e 2020 presidente da Comissão Executiva do Eurobic.

Ver comentários