Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia

Transferência da CGD para BCP não é saudável

A transferência de “administradores da CGD para o BCP, em modos, aliás, como se fosse em acto de salvamento, não é necessária, não é saudável”.
9 de Janeiro de 2008 às 00:00
Assim afirma Miguel Cadilhe no programa da lista que encabeça para concorrer à administração executiva da instituição financeira, o qual foi entregue ontem ao conselho superior do maior banco privado português,
Segundo o ex-ministro das Finanças e ex-administrador do BCP, “essa transferência configura um acto de menorização do sector privado e de estado de necessidade de intervenção e de tutela pelo sector público. E abre um precedente gravíssimo”.
No programa, Miguel Cadilhe volta a criticar Vítor Constâncio, e propõe também uma fiscalização “externa extraordinária, independente e profunda às contas” do BCP.
Santos Ferreira foi também ontem recebido pelo Conselho Superior do Millennium/BCP e à saída não fez declarações.
Entretanto, a administração do Millennium, manifestou-se ontem indignada com as declarações de Teixeira dos Santos. O ministro das Finanças declarou, no passado dia 6 de Janeiro que “... quando uma casa é assaltada não faz sentido que se corra atrás do polícia, devemos é correr atrás do ladrão”.
Os administradores consideram que as declarações desonram a imagem da instituição e dos seus responsáveis perante a opinião pública.
"CONFIANÇA NA BANCA FICOU ABALADA"
Manuel Alegre considera que a crise no BCP “não só é grave para o BCP, como também para o sistema bancário” português. Em declarações ao CM, o vice-presidente da Assembleia da República e candidato derrotado nas últimas eleições presidenciais, disse que “os portugueses têm motivos para ter uma atenção redobrada no sistema bancário”. E assumiu mesmo que, “depois disto, a minha confiança no sistema bancário fica abalada”. Escusando-se a comentar a alegada interferência do Governo no processo ou a inclusão de Armando Vara na lista de Carlos Santos Ferreira para o BCP, por “não ter informação suficiente”, Manuel Alegre afirma que “na pátria do capitalismo, os EUA, esta crise não seria possível”. Mais: “O capitalismo português está sempre a falar contra o Estado, mas desde sempre sobreviveu, e vive, à custa do Estado, com excepções”.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)