Barra Cofina

Correio da Manhã

Economia
4

Volkswagen rejeita hipótese de retirar novo carro da Autoeuropa e confia em solução para outubro

Presidente executivo do grupo diz que "Todas as partes têm muito interesse chegar a um acordo".
Lusa 13 de Setembro de 2017 às 11:17
Produção automóvel
Trabalhadores em greve na Autoeuropa
Trabalhadores em greve na Autoeuropa
Autoeuropa
Produção automóvel
Trabalhadores em greve na Autoeuropa
Trabalhadores em greve na Autoeuropa
Autoeuropa
Produção automóvel
Trabalhadores em greve na Autoeuropa
Trabalhadores em greve na Autoeuropa
Autoeuropa

O presidente executivo da marca Volkswagen (VW) espera uma solução em outubro para o conflito laboral existente na fábrica da Autoeuropa e afasta a hipótese de transferir a produção do novo modelo T-Roc de Palmela.

"Sim, definitivamente", respondeu Herbert Deiss à questão colocada num encontro com jornalistas portugueses sobre outubro ser a data para chegar a uma solução entre trabalhadores e a administração da Autoeuropa em relação ao trabalho ao sábado para assegurar a produção do novo modelo da marca.

No salão automóvel de Frankfurt, na Alemanha, Herbert Deiss garantiu que o construtor "não está a considerar outras opções" para a produção do T-Roc, realçando que seria "muito dispendioso alterar o local de fabrico".

"Podemos vender tantos carros (T-ROC) quantos Portugal puder produzir", acrescentou o dirigente, notando os planos de descontinuar a produção de veículos menos atrativos.

No encontro com jornalistas em Frankfurt, promovida pela marca alemã, o CEO da VW recordou a conversa que já teve com o ministro da Economia, Caldeira Cabral, garantindo que "todas as partes têm muito interesse chegar a um acordo".

Herbert Deiss admitiu que a contestação dos trabalhadores à proposta de novos horários face à produção de um novo modelo, que culminou numa greve a 30 de agosto, "é uma preocupação" e foi "uma surpresa" dadas as "relações laborais estáveis e de confiança" durante cerca de 20 anos, que fizeram com que nunca houvesse antes uma greve na empresa por motivos laborais.

O responsável lembrou alterações recentes na unidade de Palmela, tanto na direção de recursos humanos como na representação dos trabalhadores (na Comissão de Trabalhadores), numa fábrica elogiada pelo dirigente, a nível das "competências".

Questionado sobre o que está em causa nas negociações com os trabalhadores, Deisse considerou que "uma combinação" de fatores e recordou que com o novo modelo a fábrica regressará à capacidade plena de produção.

Os trabalhadores da Autoeuropa contestam a obrigatoriedade de trabalhar ao sábado após a implementação do novo horário de laboração contínua, com três turnos diários de segunda a sábado.

Com os novos horários que a administração da Autoeuropa pretendia colocar em prática a partir de novembro, os trabalhadores passariam a ter uma folga fixa ao domingo e uma folga rotativa nos outros dias da semana, pelo que só poderiam gozar dois dias de folga consecutivos quando a rotativa fosse ao sábado ou à segunda-feira.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)