Barra Cofina

Correio da Manhã

Exclusivos
7

22 anos de cadeia por morte à bomba

Tribunal considera Jorge Chaves responsável pelo atentado contra dono do bar O Avião.
11 de Março de 2011 às 00:30
Jorge Chaves condenado pelo morte de J. Gonçalves
Jorge Chaves condenado pelo morte de J. Gonçalves

Acusado de homicídio qualificado, incêndio com conduta perigosa, dano qualificado e posse de arma proibida, Jorge Chaves ouviu ontem o tribunal dar os quatro crimes como provados e condená-lo a 22 anos de prisão efectiva e a mais de 100 mil euros de indemnização à família de José Gonçalves, dono do bar de striptease O Avião, morto num atentado à bomba no dia 2 de Dezembro de 2007. Carlos Melo Alves, advogado de Jorge Chaves, considerou que a sustentação que levou à condenação do seu cliente "é frágil", e por isso vai recorrer para a Relação.

Jorge Chaves, 36 anos, foi preso em Ponta Delgada, Açores, em Maio de 2009, numa operação da Unidade Nacional de Contra-Terrorismo da Polícia Judiciária – que o CM noticiou em primeira mão –, por suspeitas de ser o principal responsável pelo atentado à porta do bar O Avião. A investigação foi complexa na obtenção de prova, mas ano e meio depois do homicídio, a unidade de elite da PJ, liderada por Luís Neves, sob coordenação da procuradora da República Cândida Vilar, do Departamento de Investigação e Acção Penal de Lisboa, recolheu indícios que permitiram ligar Jorge Chaves ao crime. O tribunal deu ontem a autoria do homicídio como provada. A bomba-lapa tinha como alvo o assento do carro de José Gonçalves e só o fulminou a ele. Duas bailarinas eslavas que seguiam à boleia saíram ilesas. Um telefonema para o telemóvel colado à bomba accionou-a.

O tribunal deu ainda como provado que na origem do crime estiveram desentendimentos no negócio do bar de striptease Show Girl’s, nos Açores, que Chaves e Gonçalves tinham em sociedade. Foram considerados credíveis os depoimentos da família e dos investigadores da PJ. Chaves esteve vários anos emigrado na Florida, EUA, de onde foi expulso por crimes violentos, posse e tráfico de droga. E no processo Passerelle foi condenado, em Julho do ano passado, a um ano de prisão com pena suspensa.

tribunal bar o avião lisboa julgamento tribunal jorge chaves
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)