Barra Cofina

Correio da Manhã

Exclusivos
2

Falência deixa famílias sem férias

Agência Marsans vai fechar. Milhares de clientes ficam sem viagens e mais de 100 funcionários estão sem salários e ficam desempregados
4 de Julho de 2010 às 00:30
Por ordem do director-geral, José Vicente Semper, a Marsans fechou as suas 30 lojas em Portugal.
Por ordem do director-geral, José Vicente Semper, a Marsans fechou as suas 30 lojas em Portugal. FOTO: Fátima Vilaça

Milhares de portugueses podem ficar sem férias devido ao encerramento da agência de viagens espanhola Marsans. A empresa, que em Portugal opera em parceria com a Auchan e tem trinta lojas, entrou em falência e os diversos pontos de vendas fecharam as portas este fim-de--semana.

Segundo apurou o CM, o novo presidente da Marsans em Espanha, Ivan Losada, designou como director-geral para Portugal José Vicente Semper, que se reuniu com vários fornecedores da empresa na passada semana, garantindo a continuação da operação em Portugal. Na sexta-feira, Vicente Semper deu ordem de encerramento a todas as lojas e regressou a Espanha.

'Comprei viagem para Creta para mim e para a minha família, ou seja, cinco pessoas no total, para onde íamos domingo [hoje]. O operador turístico telefona-me a dizer que a Marsans faliu, que não receberam o dinheiro e não vão dar as viagens', contou ao CM Manuel Almeida. O cliente tinha pago na totalidade a viagem da família, que custou cerca de 3600 euros. Foi alertado de que não iria embarcar para Creta dois dias antes da partida. Perdeu o dinheiro e as férias.

Vários clientes da Marsans não tiveram a mesma sorte de Manuel Almeida, que foi avisado pelo operador turístico. Foi o caso do grupo que só quando estava no Aeroporto de Lisboa, na sexta-feira, é que foi informado do sucedido.

Os aeroportos nacionais já receberam a notícia e estão de prevenção contra eventuais tumultos que possam ocorrer quando os clientes forem impedidos de embarcar para férias.

O problema prende-se com o facto de as viagens terem sido adquiridas nos postos de venda da empresa falida, mas o dinheiro nunca ter chegado ao seu destino, ou seja, aos operadores turísticos. É como se a viagem nunca tivesse sido marcada.

PORMENORES

CRUZEIROS

A Marsans tinha vendido várias centenas de bilhetes para cruzeiros operados pela Pullman Tours, que partiam de Lisboa.

SEGURO ACCIONADO

As agências de viagens são obrigadas a ter um seguro de responsabilidade civil, que pode ser accionado nestes casos.

COMUNICADO

Os trabalhadores da empresa emitiram hoje um comunicado onde responsabilizam o novo director-geral pelo encerramento das agências.

Ver comentários