Barra Cofina

Correio da Manhã

Exclusivos
4

Ferreira de Oliveira ganha 5500 euros por reunião na Caixa

Centeno aumenta 500 euros às senhas do presidente da Comissão de Remunerações da CGD.
Raquel Oliveira 23 de Agosto de 2017 às 01:30
Ferreira de Oliveira foi nomeado em agosto de 2016 pelas Finanças
Caixa Geral de Depósitos
Caixa Geral de Depósitos
Caixa Geral de Depósitos
Caixa Geral de Depósitos
Ferreira de Oliveira foi nomeado em agosto de 2016 pelas Finanças
Caixa Geral de Depósitos
Caixa Geral de Depósitos
Caixa Geral de Depósitos
Caixa Geral de Depósitos
Ferreira de Oliveira foi nomeado em agosto de 2016 pelas Finanças
Caixa Geral de Depósitos
Caixa Geral de Depósitos
Caixa Geral de Depósitos
Caixa Geral de Depósitos

O Ministério das Finanças aumentou o valor das senhas de presença do presidente da Comissão de Remunerações da Caixa Geral de Depósitos (CGD) em 500 euros. Ferreira de Oliveira, que preside àquela comissão desde agosto de 2016, passa a receber 5500 euros por cada reunião.


O ex-presidente da Galp vê esta compensação ser aumentada em 10% face aos outros dois colegas com assento na comissão: Francisco Veloso e Patrícia Viana, os vogais também nomeados em agosto do ano passado.

No ano passado, as oito reuniões para a fixação de salários dos gestores de topo da CGD custaram 120 mil euros. As seis primeiras realizaram-se sob a presidência de Daniel Traça que, no final de agosto de 2016, foi substituído por Ferreira de Oliveira, que promoveu dois encontros nos últimos quatro meses de 2016.

Além do aumento do valor da senha de presença para o presidente, segundo o ‘Negócios’, o Ministério das Finanças determinou, em agosto, um tecto máximo de reuniões anuais: 10 encontros. Ferreira de Oliveira pode ganhar por ano até 55 mil euros. Ao todo, para fixar os vencimentos, a comissão pode receber um máximo de 155 mil euros.

O CM questionou as Finanças sobre o aumento, mas não obteve resposta. 

Valor das comissões dispara em setembro 
A CGD alterou a política de preços aumentando a generalidade dos serviços bancários. Segundo o presidente da CGD, Paulo Macedo, o banco tem cerca de 700 mil contas isentas de comissões, o que não se coaduna com os custos suportados pela CGD. No próximo mês vigora o novo preçário. 

650 trabalhadores de saída do banco      
A CGD prevê oficialmente a saída de 536 trabalhadores, mas o número deverá rondar os 650 até ao final do ano, segundo o ‘Negócios’.

Até 2020, terão de sair mais mil para atingir a meta definida por Bruxelas aquando da recapitalização do banco público. Paralelamente, o banco liderado por Paulo Macedo - ex-ministro da Saúde - deverá encerrar entre 160 a 180 balcões.

Um processo que já começou sob uma chuva de protestos autárquicos. 

SAIBA MAIS 
3
membros compõem a Comissão de Remunerações da Caixa Geral de Depósitos: um presidente e dois vogais, indicados pelo Ministério das Finanças.

Vencimentos
Este órgão, transversal a outros bancos e empresas cotadas, é responsável pela fixação de salários dos órgãos sociais do grupo CGD e ainda dos colaboradores do banco público com "estatuto diretivo que reportam diretamente ao conselho de administração ou a qualquer uma das suas comissões".

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)