Fundos exigem 106 milhões a Espírito Santo

Seis membros da família Espírito Santo são alvo de uma ação interposta, já este ano, por 38 fundos de investimento internacionais, entre os quais vários fundos de pensões.
Por António Sérgio Azenha e D.R.|16.01.15
  • partilhe
  • 0
  • 2
Notícia exclusiva para assinantes. Para ler faça Login ou AssineSaiba mais aqui.
Fundos exigem 106 milhões a Espírito Santo
Primos zangados desde reunião no final de 2013 Foto Miguel Baltazar
Um conjunto de 38 fundos de investimento internacionais, entre os quais os fundos de pensões dos funcionários públicos da Califórnia e do Havai (dois estados americanos), interpuseram uma ação judicial contra o BES, o BESI, seis membros da família Espírito Santo, vários ex-administradores do BES e a KPMG – empresa que fazia a auditoria das contas do BES. Os ...
Exclusivos CMEste artigo é exclusivo para Assinantes Correio da Manhã
Se já é Assinante, faça o seu loginouAssine 1 mês por 1€.
Para ler TODOS OS EXCLUSIVOS CM de hoje por 0.60€ + IVA
Obtenha o seu código de acesso com uma simples chamada telefónica
ou
UTILIZE O 
Assine agora o Correio da Manhã Digital
  • Assine Acesso integral ao Correio da Manhã ePaper (tal como é impresso em papel, veja exemplo)
  • AssineAcesso ilimitado a todo o site do Correio da Manhã.
  • AssineTodos os exclusivos, opinião e análise da edição em papel.
Saiba mais

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!
Comentário mais votadoEscreva o seu comentário
  • De  Anónimo 16.01.15
    Muitos milhares de clientes ficaram lesados pela má gestão deste sr. Diria até que, em gíria popular, "foram dormir para debaixo da ponte". Porque não está, nas mesmas condições, o responsável por isto tudo? Será que vamos, nós os mais fracos, carregar com isto às costas, agora e futuramente?
2 Comentários
  • De  Anónimo 16.01.15
    Muitos milhares de clientes ficaram lesados pela má gestão deste sr. Diria até que, em gíria popular, "foram dormir para debaixo da ponte". Porque não está, nas mesmas condições, o responsável por isto tudo? Será que vamos, nós os mais fracos, carregar com isto às costas, agora e futuramente?
    Responder
     
     0
    !
  • De opato16.01.15
    Traficar influencias , eis aquilo a que este banco acabou por se dedicar em ultima instancia, parece que ja se tinham esquecido do que faz um banco na base. Esquecerem -se."Perdigao perdeu a pena" É pena pois eram educados e sabiam muito do ramo. Se o fundador fosse vivo. Mas lá diz o ditado: quem vive á lei da bala...
    Responder
     
     -2
    !