Barra Cofina

Correio da Manhã

Exclusivos
3

Homicida confessa e é solto

Procuradora do Ministério Público promoveu liberdade para homem que matou rival a tiro.
18 de Janeiro de 2011 às 00:30
Adilson foi morto à porta de casa da namorada, em Alcoitão
Adilson foi morto à porta de casa da namorada, em Alcoitão FOTO: Vítor Mota

Há um homicida à solta na Amadora. Virgolino, 40 anos, matou o rival com dois tiros de caçadeira pelas costas, à porta de casa da namorada. Apesar de ter sido detido pela Secção de Homicídios da Polícia Judiciária (PJ) de Lisboa em apenas dois dias, e confessado o crime, foi posto em liberdade porque a procuradora do Ministério Público do Tribunal de Cascais não promoveu a sua prisão preventiva. De mãos atadas, o juiz teve de soltar o homicida. Ficou sujeito a apresentações periódicas numa esquadra da PSP.

O crime ocorreu na noite de Passagem de Ano. Separado há ano e meio de Érica, a vítima – Adilson, de 40 anos – tentou reaproximar-se da ex-companheira, mas acabou por encontrar um outro homem na casa, em Alcoitão. Depois de uma violenta discussão entre os dois, Adilson foi atingido nas costas com dois tiros de caçadeira. Morreu no local. Virgolino, o homicida que vive na Amadora, fugiu, mas entregou-se à Polícia Judiciária dois dias depois, com um advogado, acabando por ser solto. Aliás, o homicida teve mesmo de ir duas vezes a tribunal, uma vez que na primeira a procuradora apenas o constituiu arguido e mandou-o apresentar-se ao juiz no dia seguinte. Só aí é que foi interrogado e soube que ficava em liberdade.

Cabo-verdiano e desempregado, Adilson vivia com a mãe e um sobrinho na Amadora. Segundo alguns vizinhos, manteve uma relação de cerca de três anos com Érica, mas os desentendimentos entre o casal ditaram a separação. A vítima recusava-se agora a aceitar que a ex-companheira estivesse com outro homem.

"Ele vinha a casa da ex-mulher muitas vezes e discutiam muito. Muitas vezes até se ameaçavam de morte. Na noite de Passagem de Ano, ele queria falar com a Érica, mas ela não lhe abriu a porta porque estava com o Virgolino. Discutiram alto no meio da rua, mas o Virgolino estava armado e matou o Adilson", disse ao CM uma testemunha.

amadora lisboa homicida procuradora ministério público rival tiros
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)