Barra Cofina

Correio da Manhã

Exclusivos
8

Judiciária sem provas

Os exames aos vestígios recolhidos pela Polícia Judiciária dentro do apartamento do Ocean Club onde Madeleine foi raptada, na vivenda do inglês Robert Murat e na casa do russo Sergey Malinka não forneceram a mais leve prova aos investigadores.
23 de Maio de 2007 às 13:00
Os pais de Madeleine esperam encontrar em Fátima um conforto para a dor que sentem
Os pais de Madeleine esperam encontrar em Fátima um conforto para a dor que sentem FOTO: Hugo Correia/Reuters
Todos os vestígios (cabelos, resíduos de suor e fibras de vestuário) foram recolhidos por especialistas do Laboratório de Polícia Científica e enviados para análise no Instituto Nacional de Medicina Legal (INML). Os resultados foram inconclusivos por os vestígios estarem contaminados. “Isto não é como se vê nas séries CSI”, disse ao CM Duarte Nuno Vieira, presidente do INML.
Também nas dezenas de outras casas vistoriadas, nas últimas três semanas, e só na zona de Lagos, desde que a pequena Maddie foi raptada, na Praia da Luz, deram em nada.
Os vestígios são facilmente contaminados, até pela presença de simples insectos nas proximidades – diz o professor Nuno Vieira. Era nessa situação que se encontrava a maioria dos vestígios.
O trabalho dos especialistas em genética tem sido repartido por Lisboa, Porto e Coimbra, onde estão sediados os laboratórios do Instituto, a cargo de 15 especialistas.
Conforme explicou ao CM outro especialista, os técnicos procuram extrair códigos genéticos (ADN) dessas amostras – para compará-los com os dos suspeitos.
ESPERANÇA
Os vestígios recolhidos, segundo fonte próxima da investigação, vão ainda ser submetidos a mais exames nos laboratórios do Instituto Nacional de Medicina Legal – exames mais complexos e demorados. Os investigadores ainda têm esperança de que as amostras venham a fornecer pistas seguras.
Fontes contactadas pelo CM garantem que os investigadores da PJ estão conscientes de que a obtenção de resultados finais demora. E continuam a seguir outras linhas de investigação, na esperança de que os exames possam mais tarde confirmar as teses policiais. Mas o tempo que mediou o desaparecimento da criança e as primeiras buscas, tal como o facto de a moradia de Robert Murat ser ao lado de uma estrada com grande movimento de carros, deixa a PJ com poucas esperanças de obter resultados positivos.
Outro problema acrescido são os termos comparativos. Por exemplo, o ADN de Madeleine foi obtido através dos perfis genéticos dos pais, mas podem ser recolhidos perfis genéticos de suspeitos que só o são quando aqueles mesmos perfis forem passíveis de ser comparados.
O CM apurou ainda que a investigação da PJ continua centrada na casa de Robert Murat – que ontem voltou a sofrer um ataque de pânico e foi assistido no hospital, onde as autoridades acreditam que a criança poderá ter estado.
AINDA NÃO HÁ CONCLUSÕES
Esta manhã, em reacção à notícia publicada pelo ‘CM’, o presidente do Instituto Nacional de Medicina Legal, Duarte Nuno Vieira, afirmou que os exames aos vestígios recolhidos pela PJ no âmbito das investigações ao desaparecimento de Madeleine estão ainda a decorrer, sem que haja ainda conclusões.
PAIS NA CAPELINHA DAS APARIÇÕES
Os pais de Maddie deixam hoje os gémeos Sean e Amelie entregues às amas do Ocean Club, na Praia da Luz, e partem pelas 06h30 para o Santuário de Fátima, aonde chegam por volta das 11h00. Segundo apurou o CM, o casal vai rezar na Capelinha das Aparições, aos pés da imagem da Virgem. Neste momento querem estar sozinhos, com a Comunicação Social à distância, porque é um “momento de recolhimento”. Uma hora depois depositam uma vela no tocheiro do Santuário e, de seguida, falam aos jornalistas. Embora não tenham pedido qualquer audiência, não está excluída a hipótese de se encontrarem com o reitor do Santuário, monsenhor Luciano Guerra. A viagem a Fátima foi anunciada ontem pelo casal numa conferência de imprensa em que reforçou a intenção de correr a Europa com imagens da filha.
O CASO VISTO EM INGLATERRA
O Fundo Madeleine, criado para encontrar a criança, arrecada uma média de três mil euros por hora e soma já 3,5 milhões de euros. Os McCann insistem em permanecer no Algarve.
'THE SUN'
Polícia britânica pediu aos turistas fotos tiradas na Praia da Luz para comparar com a base de dados de pedófilos.
'BBC NEWS'
Os pais de Madeleine vão aonde “for necessário” para encontrarem a filha. A televisão cita os McCann.
'THE GUARDIAN'
O jornal diz que Murat está ansioso pelo resultado dos exames para ser ilibado do desaparecimento.
'DAILY MAIL'
O ‘Daily Mail’ refere que Murat telefonou às autoridades britânicas e, a chorar, disse estar inocente.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)