Barra Cofina

Correio da Manhã

Exclusivos
7

Ladrão abatido durante assalto

Surpreendido pelo dono de uma quinta isolada, que o atingiu com dois tiros de caçadeira, quando tentava arrombar a porta com um pé-de-cabra.
26 de Fevereiro de 2011 às 00:30
Manuel Moreira está em prisão domiciliária com pulseira electrónica, após ter abatido um ladrão a tiro
Manuel Moreira está em prisão domiciliária com pulseira electrónica, após ter abatido um ladrão a tiro FOTO: Edgar Martins

A frequência de assaltos e a falta de segurança preocupava a população. Quando sentiu a porta da casa da quinta ser forçada, em Orca, Fundão, na madrugada de ontem, Manuel Moreira pegou na caçadeira e disparou. Um dos ladrões foi atingido com dois tiros, na cabeça e no peito, e morreu de imediato. O outro conseguiu fugir.

O dono da quinta, 77 anos, viúvo, reside na Covilhã, mas costumava pernoitar ali com regularidade. Antigo PSP e ex-fiscal da Câmara da Covilhã, o agora caçador surpreendeu e atingiu a tiro Manuel João, 40 anos, residente em Castelo Branco. Havia pelo menos outro ladrão, que fugiu de carro. Manuel Moreira foi depois na sua viatura entregar-se à GNR do Fundão, a 20 km de distância.

Marco Marques, presidente da Junta de Orca, salienta que a população estava a ser vítima de uma onda de assaltos, em quintas e não só, e já tinha medo de sair à rua de noite. O ladrão esteve envolvido noutros assaltos, alguns na zona, e tem cadastro por crimes contra o património. A meio da madrugada foram surpreendidos quando arrombavam a porta e perguntavam em voz alta se estava alguém em casa. 

IDOSO ALEGA QUE AGIU EM LEGÍTIMA DEFESA

Manuel Moreira foi presente ontem à tarde ao Tribunal do Fundão, que lhe decretou a prisão domiciliária, com pulseira electrónica, até ao dia do julgamento. Mesmo antes da sua colocação, já pode ficar em casa de um dos seus dois filhos. O ex-polícia estava sozinho, a dormir, quando os ladrões atacaram e alega que agiu em legítima defesa.

A vítima deixa a mulher, Benvinda Dias, de 33 anos, e oito filhos menores. José Fortunato, o seu irmão, descreve Manuel João como uma pessoa "trabalhadora e que nunca se metia em problemas, apesar de beber um pouco".

FUNDÃO ASSALTO HOMICÍDIO TRIBUNAL MANUEL MOREIRA
Ver comentários